Animais são abatidos

Animais são abatidos

Mateus Parreiras João Vítor Marques
postado em 30/01/2019 00:00
Em meio à procura por desaparecidos, outra preocupação aflige as pessoas que trabalham nas buscas pós-rompimento da barragem em Brumadinho: encontrar animais em meio à lama. Desde sexta-feira, ONGs têm encontrado dificuldades para acessar locais de resgate e auxiliar as equipes oficiais, sobrecarregadas fisicamente e psicologicamente. ;Estamos aqui com uma equipe de veterinários, para tratamento, para resgate;, relatou a presidente da ONG paranaense Força Animal, Danielly Savi.

Ao jornal Estado de S. Paulo, o chefe da Defesa Civil de Minas Gerais, coronel Evandro Geraldo Borges, confirmou que deu permissão às equipes para abater a tiros os que estiverem em locais críticos, de difícil acesso. ;O que vamos fazer? Deixar o animal sofrendo? Estamos, sim, com equipe em campo executando esse trabalho, mas essa decisão só é tomada nos casos em que não há outra opção. Tem animal preso, outro com perna quebrada. Temos de fazer escolhas. Tudo que está sendo feito foi pensado;. A Defesa Civil emitiu nota em que garante que o abate aleatório de animais não foi permitido. Os que forem encontrados com vida são levados a um sítio nas proximidades do local. Por lá, são alimentados e atendidos por uma equipe de veterinários.

A ONG Força Animal lamentou o abate por meio de tiros e defendeu que há outras formas de contornar a situação. ;Temos preparo para analisar o animal e, se for o caso, fazer a eutanásia, mas não queremos que seja por helicópteros a tiros. A gente poderia descer lá e fazer uma eutanásia digna para o animal;, defendeu o médico veterinário Rodrigo Gobo.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação