Ex-jogador Roni, que trouxe Palmeiras e Botafogo, é preso

Ex-jogador Roni, que trouxe Palmeiras e Botafogo, é preso

Polícia também prendeu o presidente da Federação de Futebol por suspeita de fraude em jogos no Mané Garricha

postado em 26/05/2019 00:00
 (foto: TV Globo/Reprodução)
(foto: TV Globo/Reprodução)


Suspeito de participar de um grupo criminoso, acusado de estelionato majorado, associação criminosa, falsidade ideológica e sonegação fiscal, o ex-jogador de futebol Roniéliton Pereira Santos, o Roni, 42 anos, foi preso ontem pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) dentro do Estádio Nacional Mané Garrincha, minutos antes do início da partida entre Botafogo e Palmeiras.

A operação Episkirus cumpriu ao todo sete mandados de prisão temporária e 19, de busca e apreensão expedidos pela 15; Vara Federal Criminal da Seção Judiciária do Distrito Federal. Além de Rôni, foram presos o presidente da Federação de Futebol do DF (FFDF), Daniel Vasconcelos, e Leandro Brito, sócio do ex-jogador na empresa de consultoria esportiva Roni 7.

Todos foram levados para o posto de segurança, localizado no subsolo do estádio, e, de lá, para o Departamento de Polícia Especializada (DPE), onde passaram a noite. O advogado de Roni, Bruno Albuquerque acompanhou a prisão, mas não quis dar nenhuma declaração. A assessoria de imprensa da FFDF disse que só se posicionará depois que as buscas forem encerradas.

Entre os demais presos, estão um administrador do estádio e um promotor do jogo. Uma pessoa também foi presa em Goiânia. Segundo informações da Polícia Civil, o grupo é especializado em fraudar o erário na realização de jogos de futebol. A suspeita é de que eles colocavam dados falsos nos boletins financeiros, os borderôs, informando uma arrecadação menor e, com isso, conseguiam pagar menos impostos e reduzir o valor do aluguel do Estádio Nacional. No DF, tanto tributos quanto o aluguel são calculados a partir da arrecadação total.

As prisões foram conduzidas pela Coordenação Especial de Combate à Corrupção, ao Crime Organizado, aos Crimes contra a Administração Pública e aos Crimes contra a Ordem Tributária (Cecor), baseadas em um inquérito policial instaurado na Divisão de Repressão aos Crimes contra a Ordem Tributária (Dicot). Além de Brasília, os mandados de busca também ocorrem em Luziânia e Goiânia. A PCDF busca obter provas nas residências dos investigados, assim como com empresas e na sede da FFDF.

O confronto entre Botafogo e Palmeiras no Mané Garrincha teve, segundo os organizadores, público de 33.143 pagantes, gerando renda de R$ 2.320.830. O jogo foi promovido pela empresa de consultoria esportiva Roni 7, que também já organizou partidas na Arena Pantanal, em Cuiabá (MT), no Estádio do Café, em Londrina (PR) e no Estádio Kleber Andrade, em Cariacica (ES). Na capital federal, um dos jogos de maior público promovido pela empresa de Roni foi o embate Flamengo x Coritiba, com público de mais de 67 mil pessoas.

Episkirus
O nome que batizou a operação vem do grego e quer dizer ;jogo enganoso;. A PCDF também fez referência ao jogo com bola criado na Grécia e que é tido como uma das origens do futebol moderno.

7
presos na na ação policial

19
mandados de busca e apreensão

33.143
público pagante no Mané Garrincha

R$ 2.320.830
renda do jogo Botafogo x Palmeiras
Carreira
Nascido no interior do Tocantins, no município de Aurora, Roni passou por grandes clubes brasileiros. Ele começou a carreira no Vila Nova, de Goiás. Depois teve uma breve temporada no São Paulo e então seguiu para o Fluminense. Também teve carreira internacional, jogando na Rússia e na Arábia Saudita. De volta ao Brasil, assinou contrato com o Goiás, passou pelo Atlético-MG, Flamengo e Cruzeiro e depois foi jogar no Japão. Em 2009, esteve no Santos, onde jogou ao lado de Neymar. Voltou ao Fluminense e, por fim, anunciou aposentadoria em 2012, quando era jogador do Anapolina de Goiás.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação