Trump escolhe substituto de John Bolton

Trump escolhe substituto de John Bolton

postado em 19/09/2019 00:00
 (foto: Nicholas Kamm/AFP)
(foto: Nicholas Kamm/AFP)

Oito dias depois da demissão do ;falcão; John Bolton do posto de conselheiro de Segurança Nacional, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou ontem o substituto: o enviado especial para a libertação de reféns Robert O;Brien. ;Tenho a satisfação de anunciar que nomearei Robert C. O;Brien, atualmente servindo como o muito bem-sucedido enviado presidencial especial para assuntos de reféns do Departamento de Estado, como nosso novo conselheiro de Segurança Nacional. Trabalhei muito e duro com Robert. Ele fará um ótimo trabalho!”, escreveu o republicano no Twitter.

Na véspera, Trump tinha admitido que o diplomata estava entre os favoritos. ;Acho que ele é fantástico;, chegou a afirmar. O;Brien chega à nova posição com o apoio do secretário de Estado, Mike Pompeo, e de republicanos no Congresso. Bolton, em contraste, era uma figura muito controversa em Washington. Sua postura de uma política externa agressiva e intervencionista se chocou com as iniciativas mais isolacionistas de Trump.

Conhecido pela reputação de defender a entrada dos EUA em guerras, Bolton foi demitido por Trump em 10 de setembro. No anúncio, o presidente alegou inúmeras divergências entre ambos a respeito de temas sensíveis, como Irã, Coreia do Norte e Afeganistão. O;Brien será o quarto conselheiro de Segurança Nacional do governo Trump. Ele chega ao cargo em um momento no qual o presidente é pressionado em Washington para ir à guerra com o Irã.

No livro publicado em 2016, While America Slept (;Enquanto os Estados Unidos dormiam;, em tradução livre), O;Brien criticou as tentativas do então presidente, Barack Obama, de apresentar um país mais colaborativo e moderado. Isso, na sua opinião, significava que ;os autocratas, os tiranos e os terroristas estavam encorajados;, argumentou.

Reféns
O governo Trump comemora os excelentes resultados na libertação de reféns, ou prisioneiros, cuja detenção no exterior é considerada por Washington como injusta, ou motivada politicamente. Nesse processo, vários americanos detidos na Coreia do Norte voltaram para os EUA, assim como o pastor Andrew Brunson, solto pela Turquia ao fim de uma grave crise diplomática. Em julho, Trump surpreendeu ao enviar O;Brien para cuidar do caso do rapper americano A$AP Rocky, julgado por agressão na Suécia, um país aliado dos Estados Unidos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação