Tantas Palavras

Tantas Palavras

Por José Carlos Vieira Esta seção circula de terça a sábado/ cartas: SIG, Quadra 2, Lote 340 / CEP 70.610-901
postado em 04/12/2019 00:00
Do amor contente e muito descontente ; I

Iniciei mil vezes o diálogo. Não há jeito.

Tenho me fatigado tanto todos os dias

Vestindo, despindo e arrastando amor

Infância,

Sóis e sombras.Vou dizer coisas terríveis à gente que passa.

Dizer que não é mais possível comunicar-me.

(Em todos os lugares o mundo se comprime.)

Não há mais espaço para sorrir ou bocejar de tédio.

As casas estão cheias. As mulheres parindo sem cessar,

Os homens amando sem amar, ah, triste amor desperdiçado

Desesperançado amor; Serei eu só

A revelar o escuro das janelas, eu só

Adivinhando a lágrima em pupilas azuis

Morrendo a cada instante, me perdendo?

Iniciei mil vezes o diálogo. Não há jeito.

Preparo-me e aceito-me

Carne e pensamento desfeitos.

Intentemos,

Meu pai, o poema desigual e torturado.

E abracemo-nos depois em silêncio.

Em segredo.

Hilda Hilst

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação