Suspeita de sabotagem no caso da cerveja

Suspeita de sabotagem no caso da cerveja

» Gabriel Ronan
postado em 12/01/2020 00:00
 (foto: Marcos Vieira/Estado de Minas)
(foto: Marcos Vieira/Estado de Minas)


Belo Horizonte ; A Polícia Civil de Minas Gerais informou, no início da noite de ontem, que trabalha com a possibilidade de um ex-funcionário da Cervejaria Backer, que já tem desavenças com a empresa, ter sabotado as linhas de produção de dois lotes da cerveja Belorizontina. Há um boletim de ocorrência registrado pela companhia contra essa pessoa, cuja identidade não foi revelada.

A Backer é a principal linha de investigação da Polícia Civil na apuração dos casos da doença causadora da síndrome nefroneural. A enfermidade já acometeu ao menos nove pessoas em Minas Gerais e resultou na morte de Paschoal Demartini Filho, de 55 anos, na última terça-feira. A polícia encontrou a substância química dietilenoglicol em garrafas de Belorizontina. O laudo foi obtido depois que a corporação realizou uma operação na sede da Backer, localizada no Bairro Olhos D;Água, em Belo Horizonte, na última quarta.

Uma mulher foi internada em Viçosa, cidade da Zona da Mata Mineira, com suspeita de intoxicação pela cerveja. Se confirmado, esse pode ser o primeiro caso de intoxicação fora da região metropolitana da capital do estado. A paciente deu entrada no Hospital São João Batista na última quinta-feira com os sintomas da doença, que causa insuficiência renal e problemas neurológicos. Ela chegou ao hospital com duas garrafas da bebida, de lotes diferentes. As garrafas levadas não fazem parte das séries investigadas pela Polícia Civil de Minas Gerais.

A paciente internada em Viçosa disse que comprou o produto em Viçosa, onde começou a beber. Tomou o resto durante a viagem para Guarapari, no Espírito Santo. De acordo com o diretor administrativo do Hospital São João Batista, Sérgio Pinheiro, ainda se trata de uma suspeita. ;A paciente internou-se na última quinta-feira com sintomas semelhantes da possível síndrome nefroneural, ou doença misteriosa, como estavam chamando. A situação ainda é apenas uma suspeita;, disse. A Polícia Civil, que investiga o caso, informou que ainda não foi notificada de nenhum caso fora da Região Metropolitana de Belo Horizonte.

Na sexta-feira, a Backer foi interditada por ordem do Ministério da Agricultura. Além de Minas, a empresa encaminhou lotes de cerveja para São Paulo, Espírito Santo e Distrito Federal.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação