Diversão para a quarentena

Diversão para a quarentena

Em razão das recomendações do governo e de médicos para permanecer em casa, o Correio separou algumas dicas culturai

Pedro Ibarra* Ricardo Daehn
postado em 18/03/2020 00:00
 (foto: Melissa Moseley/Netflix)
(foto: Melissa Moseley/Netflix)
Uma pandemia tomou o mundo. Assim, todo cuidado é pouco para manter a saúde e segurança perante a ameaça do Coronavírus. Ficar em casa é a principal recomendação de especialistas. Quanto menos aglomerações e pessoas na rua, menor a chance de contágio. Para ajudar orientar-se neste tempo sem eventos, o Correio separou algumas dicas de filmes, séries e documentários disponíveis para serem assistidos em casa.


Netflix

Meu nome é Dolemite
Filme que marca o retorno de Eddie Murphy, Meu Nome é Dolemite apresenta Rudy, um dos responsáveis pela difusão do gênero cinematográfico Blaxploitation e uma das referências para o desenvolvimento do rap. O longa dirigido por Craig Brewer mescla comédia com discussão racial e apresenta de forma leve Dolemite, um dos personagens negros mais marcantes da história do cinema. Indicado ao Globo de Ouro de Melhor ator e Melhor filme de comédia, conta com Wesley Snipes no elenco e participação especial de Snoop Dogg.


Gracie and Frankie
Duas idosas passam por uma reviravolta nas suas vidas após os respectivos maridos pedirem divórcio para assumirem um relacionamento homossexual. Gracie, puritana e conservadora, decide morar com Frankia, uma mulher excêntrica. A série de seis temporadas apresenta as redescobertas de vida dessas duas mulheres da terceira idade de forma divertida, sem deixar de lado críticas sociais interessantes sobre a mulher e o envelhecimento. A série é protagonizada por Jane Fonda e Lily Tomlin e teve múltiplas indicações aos prêmios Emmy e Globo de Ouro.


Ícaro
Documentário vencedor do Oscar em 2018, Ícaro fala sobre o doping nos esportes. Bryan Fogel se junta ao cientista russo Grigory Rodchenkov em um estudo sobre como aumentar a performance esportiva por meio de medicamentos proibido, mas acaba revelando um escândalo delicado de doping que envolve figuras políticas importantes como o Presidente russo, Vladimir Putin, e o então presidente do Comitê Olímpico Internacional, Thomas Bach.


Prime Video


As Golpistas
Um grupo de strippers e ex-strippers monta um plano para enganar e conseguir dinheiro de clientes ricos de Wall Street durante a crise de 2008. O filme é inspirado no artigo da New York Magazine, The Hustlers at Scores, de Jessica Pressler. O elenco é estrelado e conta com Constance Wu, Jennifer Lopez, Julia Stiles, Lizzo e Cardi B entre os principais nomes. O longa mostra a forma que estas mulheres conseguiram enganar milionários em clubes de striptease. Apesar de ser sucesso de crítica, o filme foi um pouco esquecido na temporada de premiações de 2020, mas Jennifer Lopez conseguiu a indicação de Melhor atriz coadjuvante no Globo de Ouro.


Fleabag
A série de duas temporadas de Phoebe Waller-Bridge é uma comédia, com piadas ácidas e que trata de temas relevantes de forma pouco usual. A produção, adaptada de um monólogo da criadora, apresenta uma personagem que tenta levar a vida após uma tragédia recente. A principal característica fica por conta da quebra da quarta parede. Em todo tempo, a protagonista conversa com o espectador e apresenta uma visão muito única dos acontecimentos da tela. Vencedora de praticamente todos os prêmios que disputou, principalmente na segunda temporada, Fleabag faz o público rir enquanto coloca o dedo em feridas da sociedade.


Super size me
Documentário muito famoso pelo desfecho, apresenta o experimento de Morgan Spurlock de adaptar toda dieta baseada em lanches do McDonald;s por um mês. O filme é um estudo sobre a influência da indústria do Fast Food e as consequências que este tipo de comida traz para o corpo humano, principalmente em excesso. Longa de 2004, chegou a ser indicado ao Oscar do ano seguinte e é obrigatório no que diz respeito a filmes sobre a indústria alimentícia.


HBO

Oitava Série
Kayla decide mudar de postura nos últimos dias de ensino fundamental e dar outra perspectiva para a sua última semana de oitava série. Esta é a premissa do longa em que Elsie Fisher vive a protagonista de 13 anos introvertida e insegura. A diretora Bo Burnham estreia no cinema com essa comédia crítica sobre a adolescência e o feminino. O filme foi aclamado pela crítica e ganhou melhor roteiro original em 2019 no prêmio do Sindicato dos Roteiristas.


Westworld
Série vista como uma das sucessoras de Game of Thrones em popularidade volta após um hiato de dois anos com a sua terceira temporada. Em um futuro em que há inteligência artificial, um parque temático é criado para que o visitante faça o que quiser, mas as máquinas se rebelam e não funcionam como o esperado. O seriado faz questionamentos sobre os pecados, a tecnologia, a consciência e apresenta as consequências da rebelião dos robôs com o passar do tempo sob o toque do criador Jonathan Nolan. o terceiro ano da série vem sendo exibido semanalmente aos domingos, é a oportunidade de assistir as duas primeiras temporadas e acompanhar os novos acontecimentos com a tudo fresco na memória.


Duras Verdades
As histórias de 5 presidiários que buscam redenção são recontadas sob o olhar de 13 pessoas com quem compartilham o dia-a-dia na prisão de Pendleton. Madeleine Sackler dirige o filme, mas com a ajuda dos 13 homens condenados por diversos crimes, que assinam a co-direção. O documentário mescla com linguagem de animação e discute o sistema criminal, redenção e o espaço de ex-convictos na sociedade.



Locação de longo prazo

Com um conceito abrangente e inclinado para seleções de filmes diferenciados, em relação à oferta de outras plataformas de streaming, a Filmefilme desponta no mercado como boa novidade. A começar pelo conceito, a empresa emplaca uma segmentação singular: na organização, agrupa os filmes pelas categorias Festivais, Documentários e Populares.


Eu não sou seu negro
Três anos antes da politizada lista do Oscar que trouxe o brasileiro Democracia em vertigem entre os finalistas a melhor documentário, o filme do haitiano Raoul Peck, Eu não sou seu negro, afunilava a mesma característica. Na base audiovisual, ele replica o discurso do poeta e ensaísta James Baldwin, e demonstra a recorrente intolerância racial na terra de Trump. Samuel L. Jackson narra o filme explica origens da d

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação