Indústria da Saúde sem protagonismo

Indústria da Saúde sem protagonismo

postado em 04/04/2020 00:00
O Brasil e a maioria dos países foram surpreendidos com o ataque do novo coronavírus. A epidemia começou em Whuan, capital da província de Hubei, no leste da China, e rapidamente se propagou pelo mundo. Grande parte das nações não estava preparada para o confronto com o que se tornou a maior pandemia deste século. As estruturas médico-hospitalares estavam aquém da velocidade de contágio do vírus.

A saúde pública brasileira há muito tem sido incompatível com a demanda nacional. A pandemia do coronavírus, que aportou no país em fevereiro (oitava semana do ano), tornou mais nítidas as deficiências. Faltam insumos básicos e equipamentos para os profissionais que estão na linha de frente do combate aos danos causados pelo coronavírus, como máscaras, equipamentos de proteção individual, luvas, respiradores e leitos nas unidades hospitalares e nos centros de tratamento intensivo.

O ministro da Saúde, Henrique Mandetta, que bem vem conduzindo as ações no país, se diz preocupado com a falta de insumos disputados pelos países afetados pela pandemia. O maior fornecedor é a China, com mais de 90% da produção mundial do material indispensável à proteção e ao trabalho dos profissionais de saúde.

Mesmo com dinheiro disponível para a compra, os fornecedores estrangeiros têm preterido o Brasil. Na última quarta-feira, os Estados Unidos enviaram 23 cargueiros de grande porte à China, para suprir a necessidades norte-americanas.

;Quando acabar essa epidemia, eu espero que nunca mais o mundo cometa o desatino de fazer 95% da produção de insumos que decidem a vida das pessoas em um único país;, declarou o ministro, referindo-se ao gigante asiático, o maior parceiro comercial do Brasil.

Países europeus também consumidores dos produtos chineses começam a repensar a indústria local, incapaz de atender às demandas internas. Apesar dos prejuízos econômicos e, principalmente, a perda de brasileiros, o coronavírus impõe um repensar aos que administram o Brasil.

No documento Perspectiva de Investimentos ; 2019/2022, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), o Complexo Industrial da Saúde (CIS) terá um crescimento moderado no período devido à incerteza no cenário de compras públicas. Ao contrário de outros segmentos, o CIS não tem previsão de investimentos. A pandemia acende os holofotes sobre esse segmento do parque industrial nacional.

Além de espaço no mercado internacional, há, principalmente, a tangível necessidade de evolução do CIS para atender as necessidades de um país continental como o Brasil. Para isso, as políticas públicas de incentivo à ciência e à tecnologia se mostram, mais do que nunca, indispensáveis.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação