No Rio, escolas levam crítica social à avenida

No Rio, escolas levam crítica social à avenida

Enredos das agremiações do Grupo Especial, hoje e amanhã, falam de desigualdade, fome, poder e ambição. Mas não se esquecem de homenagear carnavalescos históricos e de exaltar a alegria, característica da maior festa popular brasileira

Vera Batista
postado em 03/03/2019 00:00
 (foto: Youtube/Reprodução
)
(foto: Youtube/Reprodução )



Das 14 escolas de samba do Grupo Especial do Rio de Janeiro que desfilam hoje e amanhã na Marquês de Sapucaí, no Rio, nove fazem críticas às desigualdades sociais, à fome, ao poder e à ambição. Elas narram desde histórias de um bode eleito prefeito, até heróis não retratados nos livros oficiais, cartolas e aproveitadores. Diante de novos tempos e das dificuldades para levar à avenida o maior espetáculo do país, os carnavalescos parecem fazer um pedido de socorro e um alerta aos poderosos de plantão. O desfile começa às 21h45, com o Império Serrano, que terá de volta a rainha de bateria Quitéria Chagas.

A verde e branco da Serrinha chega com o sucesso de Gonzaguinha ;E a Vida, e a vida o que é? Diga lá, meu irmão!”, com o recado sobre importância de não ter vergonha de ser feliz, mesmo quando se sabe que ;a vida devia ser bem melhor;. Unidos do Viradouro, no ;Viraviradouro;, sobre a imaginação e as histórias fantásticas da infância, manda mensagem de superação: ;Quem me viu chorar, vai me ver sorrir;. Grande Rio, a tricolor de Duque de Caxias, desafia: ;Quem nunca? Que atire a primeira pedra!”, um enredo sobre educação, convivência e sátira ao jeitinho brasileiro.

História
O Salgueiro saúda Xangô, orixá do Candomblé, pedindo ao rei dos raios, dos trovões e do fogo que vença a batalha contra o mal: ;Machado desce e o terreiro treme. Ojuobá! Quem não deve não teme;. O advogado, sociólogo e historiador Júlio Expedito Machado Coelho, conhecido como Xangô do Salgueiro, também será homenageado. A campeã de 2018, a Beija-Flor, vem com a história dos seus 70 carnavais. ;Quem não viu vai ver...As fábulas do Beija-flor; relembra as vitórias, agradece e exalta os ancestrais no enredo ;No meu quilombo, todo negro é rei. Nesse terreiro, o samba é a voz que não cala;.

A Imperatriz Leopoldinense faz uma crítica a poder, ambição e política. Com o tema ;Me dá um dinheiro aí!”, lamenta os ;tempos modernos, onde vidas valem menos. Boas ações não representam dividendos;. Encerrando o primeiro dia, a Unidos da Tijuca também fala das desigualdades, da fome e da pobreza no ;Cada macaco no seu galho. Ó, meu pai, me dê o pão que eu não morro de fome;.

O desfile de segunda-feira começa com a São Clemente e os carnavais de antigamente. A reedição do enredo ;E o samba sambou;, de 1990, é uma crítica à mercantilização do samba, ;carregado de cartolas;, que dão ao samba um ;sabor comercial;. A Vila Isabel, com ;Em nome do pai, do filho e dos santos;, fala de Petrópolis, a cidade imperial. A azul e branco de Madureira, a Portela, homenageia uma de suas figuras mais ilustres, a cantora Clara Nunes, com o enredo ;Na Madureira moderníssima, hei sempre de ouvir cantar uma sabiá;.

A União da Ilha leva à Sapucaí a proposta lúdica de encontro entre os escritores cearenses Rachel de Queiroz e José de Alencar. A vice-campeã Paraíso do Tuiuti, com ;O salvador da pátria;, lembra o bode Ioiô, famoso em Fortaleza por ter sido eleito vereador em 1922, como um alerta ao voto consciente. A Mangueira traz a ;História pra ninar gente grande;, propondo uma nova versão do que foi ensinado ao longo de gerações. Fala dos heróis desconhecidos, ausentes dos livros.;Eu quero um país que não está no retrato;, canta a verde e rosa. A Mocidade fecha o desfile. ;Eu Sou o Tempo. Tempo é Vida; mostra a relação entre a humanidade e a passagem do tempo.


Grupo Especial
Ordem dos desfiles

Domingo
Hora Escola
21h15 Império Serrano
22h20 Viradouro
23h25 Grande Rio
00h30 Salgueiro
01h35 Beija-Flor
02h40 Imperatriz
03h45 Unidos da Tijuca

Segunda-feira
21h15 São Clemente
22h20 Vila Isabel
23h25 Portela
00h30 União da Ilha
01h35 Paraíso do Tuiuti
02h40 Mangueira
03h45 Mocidade

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação