Uma droga em debate

Médicos de Minas alertam para explosão de consumo e efeitos negativos na saúde de uma legalização da maconha. Defensores citam uso medicinal e possível impacto sobre violência

Flávia Ayer
postado em 02/02/2014 00:00
 (foto: POLÍCIA MILITAR/DIVULGAÇÃO)
(foto: POLÍCIA MILITAR/DIVULGAÇÃO)

Argumentos contra e a favor da legalização da maconha se multiplicam como o consumo da droga. Considerada mais leve entre as substâncias ilícitas, a Cannabis sativa, nome científico da erva, já fez a cabeça de pelo menos 7% dos adultos brasileiros, cerca de 8 milhões de pessoas, segundo o último Levantamento Nacional do Consumo de Álcool e Drogas, de 2012, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). O debate em torno de sua regulamentação esquentou depois de o Uruguai aprovar, em dezembro, a produção e a venda da maconha, droga mais consumida no mundo.

O professor do Departamento de Saúde Mental da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Frederico Garcia considera que o ;lobby positivo; em relação à droga tem contribuído para que mais pessoas a experimentem. ;Parece algo menor, menos danoso. Acredito que a legalização poderia criar um boom de consumo e levar a uma epidemia mais grave. Quanto maior o acesso, maior o consumo;, afirma Frederico, que trabalha com dependentes químicos.

Também contrário à legalização, o psiquiatra Valdir Ribeiro Campos, da Comissão de Controle do Tabagismo, Alcoolismo e Uso de Outras Drogas da Associação Médica de Minas Gerais, afirma que o risco é produzir doentes para um sistema de saúde já falido, porque a maconha pode desencadear esquizofrenia, levar à perda de memória, favorecer o abandono escolar e levar ao câncer, entre outros prejuízos. ;Sabemos que é prejudicial, então não há motivo para legalizar. A maconha tem 400 substâncias em sua composição, a maioria maléfica ao organismo;, afirma Valdir, para quem o uso científico da planta para o desenvolvimento de remédios não pode ser confundido com a legalização.

Pesquisas Na outra ponta, pessoas e movimentos favoráveis ao consumo listam razões para a regulamentação da erva. O mais forte deles é o uso medicinal. Professor do Departamento de Psiquiatria da Unifesp, o médico Dartiu Xavier desenvolveu estudo que, na avaliação dele, derruba a tese de que a maconha seja porta de entrada para drogas. ;É um mito e, na verdade, ela ajuda a sair. Nossa pesquisa com usuários de crack mostrou que 68% deles conseguiram largar a droga com uso da maconha;, diz.

A proibição, na avaliação de Dartiu, é um empecilho a pesquisas científicas. ;Não conseguimos desenvolver muitos remédios. Estudos já demonstraram a eficácia da maconha em casos de esclerose múltipla, glaucoma, Aids, câncer;, cita. Segundo ele, 9% das pessoas que fumam maconha se tornam dependentes, enquanto no álcool esse percentual é de 15%. ;Além de toda dificuldade de um dependente, ele tem o status de ilegal. Você trata um doente como criminoso;, afirma o professor.


A violência gerada com a proibição é uma das principais críticas do Movimento pela Legalização da Maconha (MLM) e da Rede Nacional de Coletivos e Ativistas Antiproibicionistas. ;As disputas de pontos de venda, a quantidade de homicídios e prisões têm a ver com a ilegalidade do mercado das drogas. Isso cria violência e leva também à corrupção dos agentes públicos;, afirma Thiago Vieira, do MLM. ;A proibição não impede ninguém de usar e ainda cria uma situação de que quem decidirá se a pessoa pega com a droga será presa por tráfico é o policial da rua, com critérios questionáveis;, acrescenta.

Guerra de estudos
Argumentos contra a droga

; A fumaça tem substâncias cancerígenas
; Pode desencadear esquizofrenia em pessoas com tendência a desenvolver a doença
; Baixa a testosterona e favorece a infertilidade
; Traz prejuízos em atenção e memória

Fonte: Associação Médica Brasileira e Conselho Federal de Medicina


Argumentos a favor da droga

; Ajuda a reduzir náusea e vômitos
provocados pela quimioterapia em pacientes com câncer
; Diminui as dores em portadores de esclerose muscular múltipla
; Aumenta o apetite em vítimas de Aids ou câncer, evitando a desnutrição
; Auxilia viciados em crack a largar a droga

Fonte: Dartiu Xavier, professor da Unifesp


Enquanto isso...
... VENDA LEGAL NO COLORADO

Em 1; de janeiro, a indústria da maconha recreativa abriu suas portas em oito cidades do estado americano de Colorado, até agora o único a legalizar a produção e o comércio do entorpecente. Até então, esses estabelecimentos só existiam na Holanda, país que permite a compra e a venda de cannabis, mas onde cultivá-la e processá-la são atos ilegais. Nos próximos meses, Washington se juntará ao Colorado.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação