Caçadores de um tesouro espacial

Caçadores de um tesouro espacial

» MARIANA LABOISSIÈRE
postado em 10/05/2014 00:00
 (foto: Carlos Moura/CB/D.A Press)
(foto: Carlos Moura/CB/D.A Press)


Estudiosos e astrônomos procuram o ponto exato de queda de um meteorito no Distrito Federal. O objeto, raro e com alto valor no mercado, foi filmado quando cruzou a atmosfera na madrugada da última quarta-feira, por duas câmeras da Rede Brasileira de Monitoramento de Meteoros (Bramon). Nas imagens captadas, uma bola de fogo passa em alta velocidade pelo céu. A suspeita é de que ele tenha caído a 33km/s e esteja numa região entre Planaltina e o norte do município de Formosa (GO), e pese entre 50Kg a 100 Kg. A Agência Especial Americana (Nasa) auxilia os cálculos que podem levar ao local da queda.

O meteoro cruzou o céu do DF às 5h26, no dia 7, e foi testemunhado pelo comerciante João de Deus Aquino, 46 anos, que caminhava ao lado de um colega. Segundo ele, os dois avistaram uma luz no céu, mas, por vergonha, não fizeram comentários. ;Eu e ele vimos aquele clarão descendo, mas só conversamos sobre o assunto no dia seguinte, quando ouvimos outras pessoas falando. Era grande, maior do que as estrelas cadentes que costumamos ver;, justificou.

No Brasil, até agora, apenas 64 pedras foram recuperadas, entre elas, duas em Goiás ; Uruaçu e Luziânia. Segundo o pesquisador da Bramon Carlos Augusto Di Pietro, o meteorito do DF seria o primeiro descoberto por meio de uma rede de vigilância por vídeo em toda América do Sul. ;Iniciaríamos uma fase de recuperação desses objetos, pois eles são verdadeiros patrimônios. São mensageiros siderais que nos contam a história da formação do sistema solar e da própria vida na Terra;, afirmou.

Embora a queda de meteoritos seja comum, o professor do Instituto de Física da Universidade de Brasília (UnB) José Leonardo Ferreira explica que boa parte deles atinge áreas com água, regiões remotas ou de difícil acesso. ;A queda em regiões populosas é algo raro. E quanto maiores, a ocorrência torna-se mais difícil;, esclareceu.

O grande clarão pôde ser visto em todo o DF, além das cidades de Planaltina de Goiás e Formosa. Para determinar a posição aproximada da queda, a equipe do Clube de Astronomia de Brasília (CasB) e da Bramdon, com o auxílio de especialistas da Republica Tcheca, Reino Unido, Japão e de outros países, tenta conseguir mais informações sobre a trajetória do meteoro. O grupo busca sistemas de radares locais e testemunhas oculares do evento. Uma equipe de 15 astrônomos marcou para a junho o início das buscas. Pessoas que presenciaram o fenômeno e que tenham feito registros do meteoro por algum tipo de câmera podem entrar em contato com as entidades por meio dos telefones (61) 82981296 e (61) 8404-6383 e falar com Carlos Augusto Di Pietro (Bramon) ou Marcelo Domingues (CAsB).

Fique atento

Hoje, a partir das 18h30, na Praça dos Três Poderes, o Clube da Astronomia de Brasília (CasB) reúne estudiosos e curiosos para evento Astronomia na Praça. O clube oferece telescópios para observação do público.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação