Os palcos no verão

Os palcos no verão

» Diego Ponce de Leon
postado em 01/01/2015 00:00
 (foto: Sartoryi/Divulgação - 20/11/14 )
(foto: Sartoryi/Divulgação - 20/11/14 )



Ainda seria pretensioso dizer que Brasília esbanja uma vasta programação cultural neste período de férias e de verão. Mas não cola mais a ideia de que ;não há o que fazer;. Shows, mostras e festas congregam cada vez mais brasilienses que preferem aproveitar a cidade. O teatro não fica de fora e oferece boas opções.

Em janeiro, dois destaques musicais provocarão uma concorrida busca por ingressos. A partir do dia 9, Cássia Eller ; O musical volta a ocupar o Teatro I, do CCBB. Durante as três primeiras semanas de dezembro, as entradas se esgotaram paras as 15 sessões realizadas. A peça permanece por aqui até 26 de janeiro.

No final do mês (entre os dias 22 e 25), será a vez de Desbunde retomar os trabalhos. A montagem, escrita por Sérgio Maggio, arrebatou o espectador e provocou uma movimentação como há muito não se via no Teatro Dulcina. Desta vez, eles irão desbundar na sala Plínio Marcos, na Funarte.

No palco, cinco homens se travestem para reproduzir a força da militância artística durante a ditadura militar brasileira. O vigor físico dos atores, a trilha musical e a direção de Juliana Drummond e Abaetê Queiroz ; além do da ousada proposta ; devem voltar a causar êxtase na plateia.

Em 2015

Vários grupos e artistas que se destacaram no ano passado voltam à cena em 2015. O diretor e ator Tullio Guimarães, que integra o elenco de Desbunde, ressurge com outro projeto em março: Cataventos. O delicado espetáculo, que reúne atores da terceira idade, teve apenas um fim de semana de apresentação em 2014. Se tudo correr bem, a reestreia pode ser antecipada para fevereiro.

A mais elogiada peça do ano que findou, Autópsia, deve se unir a outro espetáculo que também deu o que falar, Poeira, e provocar um interessante debate. O diretor Jonathan Andrade, que responde pelas duas montagens, está animado com o novo ano. Algumas surpresas estão previstas.

Há grande expectativa pela 20; edição do tradicional Cena Contemporânea, previsto para agosto, que não contará com o apoio de seu idealizador e diretor, Guilherme Reis, que assume hoje a Secretaria de Cultura. O festival permanece com a mesma equipe que o realiza há 10 anos e será coordenado pelo produtor e ator Alaor Rosa e pela produtora Michele Milani. Uma comissão curatorial para selecionar os espetáculos que farão parte da próxima edição será criada.

Também no segundo semestre, as atenções se voltam para um projeto especial que deve reunir um dos mais concorridos diretores da cidade, um experiente dramaturgo, um elenco arrebatador e, ainda, uma conhecida cantora do público. Os detalhes, por enquanto, permanecem em sigilo.


5 mil Número de pessoas que já assistiu à Cássia Eller ; O musical, no CCBB

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação