Morte tramada pela mulher

Morte tramada pela mulher

Execução de tentente-coronel do Exército, sequestrado na noite de sexta-feira na 208 Norte, teria sido planejada pela esposa e pela cunhada dele por causa de pensão. Também ontem, um bombeiro e um policial federal perderam a vida

» NATHÁLIA CARDIM » THIAGO SOARES » JULIANA CONTAIFER » ADRIANA BERNARDES » KELLY ALMEIDA
postado em 17/05/2015 00:00
 (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)





Em menos de 20 horas, o assassinato do tenente-coronel do Exército Sérgio Cerqueira, 43 anos, teve uma reviravolta. De vítima, a mulher do oficial passou à condição de mandante do crime. De acordo com os investigadores, ela e uma irmã forjaram um sequestro relâmpago para encobrir o homicídio premeditado pelas duas. Sérgio foi levado do Bloco C da Quadra 208 Norte, na noite de sexta-feira. A mulher estava junto dele no momento em que quatro bandidos fizeram a abordagem, mas foi liberada pelos criminosos. Durante os depoimentos dos acusados, ela e a irmã foram descobertas. Até o fechamento desta edição, a mulher de Cerqueira negava participação no crime, mas os executores e a cunhada do militar teriam confessado o envolvimento das duas. A motivação do crime seria uma pensão que a esposa do militar receberia em caso de morte dele: o salário integral de cerca de R$ 10 mil. O Centro de Comunicação do Exército confirmou ter sido informado, pela Polícia Civil, sobre a participação da mulher no caso. Lamentou a morte do militar e disse estar apoiando a família.

O sequestro forjado teve início por volta das 21h50. O tenente-coronel e a mulher foram abordados no estacionamento da Quadra 208 Norte. Eles desciam do carro ;; um JAC J3 preto ;; quando quatro bandidos se aproximaram e anunciaram o roubo. A mulher foi deixada no local e o grupo seguiu com o oficial. Três horas após a abordagem, o corpo da vítima foi encontrado com um tiro na cabeça, em um terreno do Núcleo Rural Agulhinha, em São Sebastião. Cidade onde mora a cunhada da vítima. Os bandidos foram localizados pouco depois. Primeiro, policiais militares encontraram o carro da vítima estacionado em frente a uma casa onde acontecia uma festa. Os PMs esperaram até que dois homens, entre eles um adolescente de 17 anos, entrassem no veículo. Foram presos por receptação. Disseram ter comprado o carro por R$ 300 e entregaram os executores. Todos foram levados para a Delegacia de Repressão a Sequestros (DRS).

Segundo informações da Divisão de Comunicação da Polícia Civil (Divicom), Sérgio Cerqueira e a mulher estavam em processo de separação, mas se encontravam com frequência. A esposa estava insatisfeita, pois acreditava que sairia prejudicada financeiramente com a separação. Os dois têm uma filha de 13 anos. As duas acabaram presas em flagrante por homicídio qualificado. A pena pode chegar a 30 anos de prisão.

O circuito de segurança de um dos prédios registrou o momento da abordagem. Os quatro criminosos chegaram a pé. Segundo testemunhas, tudo ocorreu muito rápido. A esposa do militar ainda pediu ajuda ao porteiro do edifício, que acionou a polícia. ;Não consegui identificar que se tratava de um sequestro. Só quando ela pediu socorro, nós percebemos que algo estranho estava acontecendo;, revelou o zelador Cícero Leandro Lima da Silva, 44 anos. As gravações mostram que a polícia chegou ao prédio menos de 20 minutos depois de Cerqueira ser levado. Durante as buscas pela vítima, por volta das 3h de ontem, a PM foi informada, por meio da Central Integrada de Atendimento e Despacho (Ciade), que um corpo havia sido encontrado em uma área rural de São Sebastião. Um amigo da vítima, major do Exército, que preferiu não se identificar, foi quem reconheceu o corpo do oficial. ;Inicialmente, ninguém viu o momento em que os bandidos abandonaram o militar. Lá é uma área de chácaras de pouco movimento. As casas são bem afastadas umas das outras;, explicou o sargento da Polícia Militar Milton Alves, lotado no Batalhão de São Sebastião.




Clima

O Correio esteve na 208 Norte. A maioria dos moradores do Bloco C é formada por militares. Muitos não sabiam o que havia ocorrido. Um deles relatou que, há duas semanas, uma mulher foi abordada por três homens armados. Eles levaram a sacola de compras e a bolsa dela. O crime, segundo o morador, ocorreu por volta das 16h. ;O clima aqui é de apreensão. Os porteiros estão receosos e os moradores com medo de deixar os filhos brincarem no parquinho.;, narrou outra moradora, que pediu para ter o nome preservado.

A pedagoga Raquel Carvalho, 42 anos, mora na quadra e teme pela segurança no local. O marido dela também é militar. ;Isso poderia ter acontecido com qualquer um. É lamentável. Hoje em dia, todo o cuidado é pouco. Muitos criminosos usam drogas e, para manter o vício, acabam praticando crimes;, disse.

Memória

Abril de 2015

Um policial militar morreu em 20 de abril, após ser baleado na cabeça, em Sobradinho. O crime ocorreu no Conjunto B da Quadra 11. Segundo informações da PM, o sargento Antônio Marcos de Araújo havia acabado de estacionar o carro em casa quando foi abordado por assaltantes. A mulher dele foi alvejada nas costas e a cunhada tomou um tiro de raspão. As duas foram encaminhadas para o hospital e sobreviveram.

Março de 2015
Um sargento da Polícia Militar foi morto em 14 de março, no Paranoá. Reinaldo Francisco Vieira foi atingindo com tiros enquanto atendia uma ocorrência de Maria da Penha. Ele foi socorrido ao Hospital do Paranoá (HRPa), mas não resistiu aos ferimentos e morreu na unidade de saúde. Gilmar Ribeiro Rocha estava agredindo a mulher e começou a atirar contra a equipe de policiais. Reinaldo acabou atingido. Gilmar tinha passagens criminais por três homicídios.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação