Eles defendem a regularização

Eles defendem a regularização

postado em 01/07/2015 00:00

Os deputados não negam o lobby em favor das igrejas. Bispo Renato confirma que esteve na Agefis para defender os templos, mesmo se tratando de invasão de área pública. ;Só o que eu pedi foi que seja analisado caso a caso. Alguns pastores dizem ter autorização para construir naquele local. Foi autorizado mesmo ou não? Como entraram no terreno? Agora, se entrou, é obrigação do Estado regularizar. Se não, teria que derrubar praticamente metade de Brasília;, argumenta. Sandra Faraj (SD) também sai em defesa dos templos. ;Eu não tenho como dar muitas informações a respeito porque ainda não fiquei sabendo da situação dos espaços. Mas eu sou, de antemão, contrária à derrubada de igreja, porque ela tem um papel fundamental na sociedade. Acho que o governo pode fazer uma contrapartida, qualquer coisa para dar opção à derrubada;, diz.

Delmasso defende a honraria que propôs a bispo Lucas Rodrigues da Cunha, colega de congregação. ;Ele faz um trabalho inestimável para a comunidade: tirou milhões de jovens das drogas e fez um bem à sociedade;, argumenta. Sobre as derrubadas, ele defende as igrejas invasoras de área pública. ;Esses lugares estão em processo de regularização fundiária. Por que falar que invadiram há menos de um ano? Será que isso ocorreu mesmo? Acho que precisamos separar as coisas. Não se pode derrubar quem está em processo de regularização.;

O pastor João Dito é presidente da União das Igrejas Independentes do DF e representa três dos templos ilegais. Presidente do PRB de Ceilândia e membro da executiva regional da legenda, ele chegou a ser indicado pela sigla para assumir cargo comissionado da Administração de Samambaia. Dito defende a manutenção das igrejas. ;Estamos em processo de regularização, assim como outras 1.180 igrejas no DF.;

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação