Um mistério hippie

Um mistério hippie

» Anna Beatriz Lisbôa Especial para o Correio
postado em 24/08/2015 00:00
 (foto: Warner Bros/Divulgação)
(foto: Warner Bros/Divulgação)


O diretor norte-americano Paul Thomas Anderson parece ter encontrado no conterrâneo Thomas Pynchon sua alma gêmea literária: ambos pintam panoramas sociais complexos, desvendando os meandros de momentos icônicos do século 20, através de uma multidão de personagens excêntricos. A materialização desse encontro pode ser conferida em Vício inerente, longa inspirado no livro homônimo do recluso escritor. O filme, que conta com Joaquin Phoenix, Josh Brolin e Reese Witherspoon no elenco, já está disponível em DVD e Blu-ray.


Vício inerente marca o reencontro de Phoenix com Paul Thomas Anderson após o impactante O mestre (2012) ; e a segunda vez que o ator contracena com Witherspoon, sua parceira de Johnny & June (2005), cinebiografia de Johnny Cash. O diretor busca inspiração no universo noir para contar essa história de medo e delírio em Los Angeles dos anos 1970. A abertura do filme é típica do gênero: nosso anti-herói Doc Sportello (Phoenix) é confrontado na calada da noite pela femme fatale Shasta Fay (Katherine Waterston), uma antiga amante, que agora tem um caso com um bilionário. O desaparecimento de Shasta fará com que Doc se envolva no caso mais do que gostaria.


A história enfoca os personagens em um momento crepuscular do sonho hippie, cultivado na década anterior, e que foi contaminado pelos terríveis eventos orquestrados por Charles Manson e seus seguidores. Os agrupamentos de pessoas são vistos com desconfiança ; em especial se usam cabelos compridos ;, mas todos parecem envolvidos em alguma conspiração: cartéis de drogas, redes de prostituição, neonazistas. Até a polícia e o FBI se comportam como se fossem uma seita. Todos andam em bandos, movidos a alucinógenos. Doc, no entanto, trabalha só.


Nesse film noir, a neblina que cobre a cidade é, na verdade, a névoa da maconha fumada pelos personagens. Los Angeles continua corrompida, mas o ambiente noturno dá lugar à luz do sol que expõe todo o excesso kitsch da época. O estilo polifônico de Anderson é perfeito para traduzir em imagens a prosa intrincada e corrosiva de Pynchon. Phoenix, cujos maneirismos encaixam perfeitamente com a direção expressionista de Anderson, assume com naturalidade o papel de guia pouco confiável por uma sociedade deteriorada pela paranoia ; tanto política quanto lisérgica.

Fim do sonho
O assassino comandava a chamada Família Manson e foi acusado de sete assassinatos, entre eles, o da atriz Sharon Tate, que à época esperava um filho do diretor Roman Polanski.

; Gênio recluso
O filme é a primeira adaptação cinematográfica do trabalho do escritor norte-americano Thomas Pynchon, conhecido por narrativas densas como as de O arco-íris da gravidade e Mason e Dixon. Figura misteriosa, as fotos mais ;recentes; do escritor datam dos anos 1950.

Vício inerente ****
De Paul Thomas Anderson. Com Joaquin Phoenix, Josh Brolin, Owen Wilson. Warner Bros. Não recomendado para menores de 18 anos.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação