Melodia para a alma

Melodia para a alma

Sérgio Mendes celebra 50 anos do grupo Brasil 66%u2019 e do lançamento de seu maior hit, a faixa Mas que nada

Adriana Izel Enviada especial
postado em 19/06/2016 00:00


Rio de Janeiro ; O produtor, músico e cantor Sérgio Mendes, 75 anos, é uma referência em todo o mundo. Ele já trabalhou com diferentes nomes da música nacional e internacional. Seu projeto mais recente envolve os brasileiros Baby do Brasil e Rogério Flausino (vocalista do Jota Quest), com quem gravou a faixa Se ligaê, uma canção comemorativa a chegada dos Jogos Olímpicos de 2016, que serão realizados em agosto no Rio de Janeiro. Estão na música o clássico piano de Mendes e sua melodia marcante.

Também é em 2016 que o músico comemora 50 anos da criação do grupo Sérgio Mendes & Brasil 66;. A banda, que começou nos Estados Unidos, foi responsável por levar Sérgio Mendes ao estrelato global, assim como a canção Mas que nada, lançada no mesmo ano no disco Herb Alpert Presente Sérgio Mendes & Brazil 66;. A faixa, de autoria de Jorge Ben Jor, ganhou uma versão de Mendes, que se tornou conhecida em todo o planeta e conseguiu sucesso nas paradas norte-americanas, figurando na lista de mais ouvidas da Billboard.

Depois da versão de Mendes, a música foi cantada por Ella Fitzgerald, Al Jarreau e Trini Lopez. Além dos 50 anos da primeira versão de Mas que nada, Mendes ainda celebra os 10 anos do lançamento da canção que foi regravada e remixada pelo grupo Black Eyed Peas em parceria com o próprio Sérgio Mendes. ;É uma música que é importantíssima para mim;, define o artista ao Correio.

O cinquentenário da criação do grupo e do lançamento da música serão celebrados com uma turnê especial, que já teve início e passou por algumas cidades dos Estados Unidos e da Europa. Nos dias 23 e 24 de junho, Mendes estará em Caesarea e Tel Aviv, em Israel. Já em julho, nos dias 14 e 22, se apresenta novamente nos Estados Unidos, em Seattle e Oxnard, respectivamente. Mas o show mais aguardado será em 12 e 13 de julho, durante o Hollywood Bowl, em Los Angeles, no qual atuará ao lado da Orquestra Filarmônica de LA, composta por 120 músicos. Ainda não há datas para o Brasil, mas Mendes diz que espera trazer a turnê para o país. ;Quero muito tocar na Praia de Icaraí (em Niterói, cidade natal do músico). E quero um dueto com Baby do Brasil;, afirma.

Apesar de ser natural de Niterói, no Rio de Janeiro, atualmente o músico mora em Los Angeles e se divide entre os Estados Unidos, o Brasil e outros países do mundo. ;Neste ano, já estive duas vezes no Brasil, que era mais do que eu já havia planejado;, completa.

Em entrevista ao Correio, Sérgio Mendes falou sobre o novo projeto (a música Se ligaê), a turnê comemorativa dos 50 anos e o momento atual da música nacional e internacional, que ele classificou como ;pouco melódico;.




;Eu sou o cara da melodia. Acho que nós vivemos um momento pouco melódico no mundo. A melodia no fim das contas é o que fica na alma e na memória (do ouvinte);




;Mas que nada se tornou uma espécie de hino do Brasil para o mundo. Faço essa referência porque é uma música que é importantíssima para mim;




Ponto a ponto


MELODIA

Eu sou o cara da melodia. Acho que nós vivemos um momento pouco melódico no mundo. A melodia no fim das contas é o que fica na alma e na memória (do ouvinte). Quando eu digo que estamos sem melodia é no mundo inteiro. As músicas estão ficando muito pré-fabricadas. Uma coisa que não é espontânea, que uma criança ouve e sai cantando. Esse é o poder da melodia.

MAS QUE NADA
Ela se tornou uma espécie de hino do Brasil para o mundo. Faço essa referência porque é uma música que é importantíssima para mim que eu gravei há 50 anos e depois, em 2006, com o Black Eyed Peas, para você ver a força dessa letra. Eu gravei em português e ninguém sabe o que quer dizer ;mas que nada;. Se você pensar no termo em inglês, fica um terror, um pesadelo. Mas é uma música que não precisa dessa tradução. Ela tem um canto universal. Essa melodia que você escuta e fica naturalmente na alma.

BRASIL 66;
Esse ano estou celebrando os 50 anos do Brasil 66;, que é a minha banda. Estamos viajando o mundo inteiro com uma turnê comemorativa. Já passamos por algumas cidades dos Estados Unidos, como Chicago. Agora vamos tocar na Europa, depois voltar para os Estados Unidos. Terá um dia especial com a Orquestra Filarmônica de Los Angeles ao lado de 120 músicos. Vai ser um negócio muito bonito. Em setembro, vamos para o Japão, a Indonésia e a Malásia. Estamos rodando o mundo e celebrando esses 50 anos. Estou como um ;velho cigano;. (risos) Ainda não tenho data no Brasil, mas espero que sim. Quero fazer um show na Praia de Icaraí (em Niterói). E quero um dueto com Baby do Brasil.

NITERÓI
Você sabe o que quer dizer Niterói? Era uma expressão dos índios que viviam lá. Em língua indígena, quer dizer águas escondidas. Eu até fiz uma música sobre isso.

SE LIGAÊ
É um encontro mágico de três gerações. É também uma alegria dessa celebração dos Jogos Olímpicos. Há um respeito mútuo entre nós (ele, Baby do Brasil e Rogério Flausino), que se transformou nessa alegria contagiante, que começa com a música, que é uma canção maravilhosa.

QUÍMICA MUSICAL
Essa nossa química é maravilhosa (entre ele, Baby e Flausino). Isso você não planeja. É a mágica do encontro. Às vezes, você trabalha com outras pessoas de quem gosta na música, mas o clima de trabalho não é legal. Isso acontece muitas vezes, quando você acha que ia ser legal, mas não é. Então, acho que estamos de parabéns que tudo está transcorrendo no clima de alegria.

A repórter viajou a convite da Musickeria




Um músico de muitos encontros


Em suas redes sociais Sérgio Mendes costuma compartilhar antigos registros ao lado de músicos e celebridades brasileiras e internacionais. Confira a seguir alguns desses encontros



Apresentação no Japão
O músico no piano ao lado os integrantes do grupo Sérgio Mendes & Brasil 66;, em show no Japão.



Programa de televisão
Sérgio Mendes ao lado de Fred Astaire em 1968. Sua primeira grande aparição em um programa de televisão internacional.



Reunião com ícones
O músico é um dos poucos brasileiros a ostentar uma foto com o Rei do Rock. O registro foi feito durante um show de Mendes em Las Vegas, que também contou com a presença de Paul Anka.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação