Ser livre

Ser livre

Por Flávia Duarte
postado em 19/09/2016 00:00
Gustavo é um homem de discurso pausado e tranquilo. Daqueles com quem você é capaz de passar horas conversando sem se aborrecer. Ele deixa transparecer no semblante uma paz de quem gozou da vida e se aproxima dos 50 anos de idade realizado. Isso, deduzo eu. Enquanto fala, não desgruda os olhos do único filho, de 4 anos. Entre um tema e outro, faz um elogio ao primogênito, que leva no rosto ; e no jeito galã, segundo a mãe do menino e esposa de Gustavo ; a genética do pai.

Até que me confidencia que a maior liberdade da vida encontrou na paternidade. Já não tem mais preocupações supérfluas. Só lhe tiram o sono a educação e o bem-estar do filho. Não é mais o homem que pensa em trocar o carro, em acumular parte do salário para adquirir casa maior ou em poupar para a próxima viagem. Nada, ele garante, é mais importante do que a felicidade do filho. E, justamente, foi essa tarefa nobre e complexa que lhe concedeu a alforria: a de simplesmente amar e cuidar de alguém.

Gustavo passou a se sentir livre depois de encontrar o amor da vida. Eu me deparei com esse sentimento depois de perder o amor da minha. Dois meses depois de a morte ter levado meu companheiro de 16 anos de parceria, tatuei na altura da costela a palavra ;liberdade;, em inglês. Talvez, se tivéssemos habilidades de pássaros, estivesse, nessa parte do corpo, nosso ;aparelho voador;. Naquele dia, não sabia exatamente por que escrevia aquilo, mas dei ouvido à minha alma e eternizei na minha pele a sensação que eu sentia no momento mais difícil que já enfrentei.

Foi nesse encontro com o Gustavo que entendi, então, a razão de eu ter feito aquilo, há mais de um ano e meio. Quando meu marido se despediu da vida, o vi livre da dor e do sofrimento. Consequentemente, ele aliviava a minha agonia também. Depois que você perde alguém que você ama para uma briga injusta, você se liberta do apego: descobre que a força do Universo é maior do que a sua, mais forte do que seus desejos, então, você se liberta e apenas vive. Apenas ama os seus, intensamente, como aquele pai ama o filho.

Depois de enterrar o homem que eu amava, perdi o pavor que tinha da morte e de me despedir das pessoas. Agora, sei que ela vai me visitar de novo, seja para me levar ou me tirar mais um pedaço do coração. Mas, já não tenho medo dela. Sei que vou sobreviver ao próximo estrago que me causar e isso é libertador.

Ver alguém que ama se despedir um pouco a cada dia liberta você de se enfurecer com as coisas pequenas. Tudo se torna infinitamente menor diante do irremediável. Então, você passa a ser livre das mesquinharias. Você entende que bens materiais são importantes e essenciais para se reerguer de furações emocionais, mas entende que acumular dinheiro e objetos é gastar tempo que poderia usar para desfrutar experiências e guardar lembranças.

Agora, me sinto desobrigada de ter mais ou de ser melhor em tudo que faço. Me sinto livre de desejar todo o tempo. Quero apenas viver o melhor que puder. Isso me tira um peso das costas e me deixa mais leve para voar. Ver a morte destruir os planos que eu tinha até aqui me fizeram descarregar todas as planilhas e projetos de longo prazo. Já não desenho o futuro e nada tem de desolador nisso. Se você não se concentra no que ainda não aconteceu tem mais energia para curtir o que se passa exatamente nesse momento. O pensamento e os desejos estarão focados no agora. Isso sim é liberdade.

O fim de um amor me livrou das correntes das insatisfações e competições. Decidi apenas viver intensamente e deixar que as coisas se acomodem. Não ter controle, te dá asas.

Desapegar te liberta. Sentir que o amor sempre acaba, de um jeito ou de outro, te torna mais generoso. Você não cobra, apenas sente, porque se lembra de que tudo tem fim, até as pessoas. Então, alivie a carga e siga viagem: sozinho ou acompanhado. Isso é liberdade de escolha.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação