Ataque leva Suécia a reforçar fronteira

Ataque leva Suécia a reforçar fronteira

Numa ação classificada como terrorista pelas autoridades, homem lança um caminhão contra pedestres em Estocolmo, deixando quatro mortos. Suspeito é detido

postado em 08/04/2017 00:00
 (foto: Jonathan Nackstrand/AFP)
(foto: Jonathan Nackstrand/AFP)




Dezesseis dias depois do ataque em Londres, a Europa foi alvo ontem de uma ofensiva classificada como terrorista e que reproduziu um modo de ação cada vez mais frequente no último ano: o uso de um veículo contra uma aglomeração de pessoas. Desta vez, o atentado aconteceu no centro de Estocolmo. Um caminhão foi lançado contra quem passava pela junção entre uma das mais movimentadas ruas de pedestres da capital, Drottningsgatan, e uma das principais artérias da cidade, Klarabergsgatan. Quatro pessoas morreram e 12 ficaram feridas. No início da noite, um homem foi preso por envolvimento no episódio, que deixou em alerta todo o continente.

;A Suécia foi atacada e tudo aponta para um ataque terrorista;, afirmou o primeiro-ministro, Stefan L;vfen, que viajava para a segunda cidade do país, Gotemburgo, e retornou às pressoas para a capital. Imediatamente, as autoridades locais suspenderam o funcionamento de toda a rede do metrô, além dos ônibus e bondes no centro, que voltaram a funcionar horas depois. O ataque ocorreu perto da estação T-Centralen, por onde passam todas as linhas de Estocolmo.

Por determinação de L;vfen, os controles fronteiriços foram reforçados. O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, afirmou que o ataque contra a Suécia era um ataque contra ;toda; a União Europeia. O presidente russo, Vladimir Putin, afirmou que ;nessas horas difíceis, os russos choram com o povo sueco;. Na segunda-feira, 13 pessoas morreram quando um homem-bomba detonou os explosivos que carregava no metrô de São Petersburgo.

Bomba
Várias testemunhas descreveram cenas de terror e pânico. ;Fez o mesmo ruído que uma bomba que explode;, disse ao jornal sueco Aftonbladet a testemunha Leander Nordling, 66 anos. O centro da cidade foi completamente esvaziado. Enquanto as lojas fechavam suas portas, os habitantes retornavam andando para suas casas, depois que a polícia solicitou que evitassem aglomerações. Os feridos, adultos e crianças, foram levados para hospitais próximos. O estado de saúde de nove deles é grave.

Poucas horas depois do ataque, a polícia anunciou a detenção de um homem em M;rsta, na periferia norte de Estocolmo, sem dar detalhes sobre sua identidade. Sabe-se, contudo, que não se tratava do motorista do caminhão utilizado no atentado, que estava foragido até o fechamento desta edição.

A polícia havia indicado anteriormente à imprensa que buscava um homem relativamente jovem, vestindo um casaco com capuz preto, gravado por uma câmera de segurança muito próxima ao local do atentado. Ao que parece, poderia ser ele o detido. O caminhão usado na ação pertence à transportadora Spendrups. O veículo foi roubado pelo autor do atentado durante uma entrega em um restaurante.

A Suécia só havia sofrido um ataque até a data, em dezembro de 2010, quando um suicida detonou seus explosivos na mesma rua de pedestres de Estocolmo, deixando feridos leves. A ação de ontem segue o mesmo modelo dos atentados em Londres, Berlim e Nice, no sul da França, cujos autores lançaram seus veículos contra multidões (leia quadro).



Estratégia recorrente


Confira abaixo os ataques cometidos recentemente na Europa, tendo veículos como arma:

França

1; de janeiro de 2016
Um francês de origem tunisiana atropela quatro soldados na frente da grande mesquita em Valence, cidade do sudeste da França. Esse ataque não foi classificado como terrorista, diante das motivações confusas do agressor.

14 de julho de 2016
O tunisiano Mohamed Lahuaiej Bouhlel joga o caminhão que conduzia contra uma multidão na noite da Festa Nacional, matando 86 pessoas e deixando mais de 400 feridos. O atentado nessa cidade da Côte d;Azur foi reivindicado pelo Estado Islâmico( EI).

Alemanha

19 de dezembro de 2016

O tunisiano Anis Amri lança o caminhão que dirigia sobre uma feira de Natal, em Berlim, deixando 12 mortos e 48 feridos. O ataque foi reivindicado pelo EI.

Reino Unido

22 de março de 2017

O britânico convertido ao Islã Khalid Masood investe seu carro contra a multidão sobre a Ponte de Westminster, em Londres. Quatro pessoas morreram, e cerca de 50 ficaram feridas. Em seguida, ele esfaqueia um policial, antes de ser morto diante do parlamento. O Estado Islâmico (EI) assumiu a autoria do ataque.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação