Brasilia, o time que desapareció

Brasilia, o time que desapareció

Victor Gammaro*
postado em 14/07/2017 00:00
 (foto: Facebook/Reprodução
)
(foto: Facebook/Reprodução )



Não é novidade que o Brasilia não disputa nenhuma divisão a nível nacional. Mas o protagonista desta história não é o colorado do Plano Piloto, que não se classificou para a Série D deste ano e acabou rebaixado no Candangão em 2017. A equipe em questão é o Club Deportivo Brasilia, time de El Salvador, com nome em homenagem à capital do Brasil.

A equipe da América Central nasceu no ano em que Juscelino Kubitschek fundou Brasília, em 1960. Em um primeiro momento, chamava-se Xotlan, mas, depois de alguns meses, em homenagem à nova cidade brasileira e ao fato de a Seleção verde-amarela ter sido a última campeã mundial, em 1958, os fundadores resolveram trocar a alcunha da equipe de Suchitoto, um pequeno município do departamento de Cuscatlán, em El Salvador.

Assim como o futebol da cidade que o clube homenageia, o Brasilia não vive seus melhores dias nos campos salvadorenhos. Apesar de nunca ter chegado à elite do país, o time viveu momentos de glória e esteve muito perto do acesso em 2012, quando chegou à decisão da Série B, mas acabou derrotado pelo Santa Tecla na prorrogação. Atualmente, o time não está nenhuma divisão no país.

O lateral Eduardo Cuestas, 24 anos, vestiu a camisa do Brasilia na temporada 2014/15 e conta que a má fase da equipe começou com a falta de pagamento dos salários dos atletas. ;Era bonito jogar lá, os torcedores iam apoiar. Mas não havia dinheiro e os jogadores não rendiam por causa disso;, diz o salvadorenho, que agora defende o Ilopaneco, da segunda divisão local. Sobre o ex-clube, ele não faz ideia de quando o time voltará a jogar um campeonato nacional. ;Na verdade, eles desapareceram.;

O Maradona deles
Um dos grandes ícones do Brasilia foi Jorge ;Magico; Gonzalez, um dos maiores jogadores da história de El Salvador e vice-artilheiro da história da seleção nacional, com 21 gols. O meia que ganhou comparações com Diego Maradona vestiu a camisa do time que homenageia a capital em algumas partidas amistosas.

O clube mandava os jogos no Estadio Municipal La Ciudad de Suchitoto, com capacidade para mil torcedores. O uniforme principal da equipe ; claro ; é nas cores verde e amarela, em homenagem ao Brasil. Cuestas, inclusive, é fã de vários jogadores brasileiros. ;Daniel Alves, Maicon e Ronaldinho são meus ídolos daí;, enumera o lateral, que aparece com uma camisa da Seleção Brasileira em uma rede social.

*Estagiário sob a supervisão de Braitner Moreira




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação