Reajuste maior que a inflação

Reajuste maior que a inflação

Fipe mostra que, nas negociações salariais de janeiro, empregados tiveram ganho real

» VERA BATISTA
postado em 22/02/2018 00:00

O mês de janeiro foi pautado por intensa negociação entre patrões e empregados, de acordo com dados da Pesquisa Salariômetro, da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). Segundo o economista Helio Zylberstajn, coordenador do estudo, os primeiros 30 dias de 2018 foram atípicos. Chamou atenção, segundo ele, que 77% do que foi pactuado entre as duas partes não trataram de salários ; a média tradicional é de 65% ;, mas de condições de trabalho (jornada do comércio no carnaval, por exemplo). Dos 23% restantes, a maioria absoluta ( 91%) foram negociações salariais que resultaram em aumentos superiores à inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Apesar do ganho real, o percentual a mais que entrou no bolso do trabalhador em janeiro (0,9% acima do INPC) é o menor desde abril de 2017, quando foi de 0,4%. De lá para cá, os salários negociados ultrapassaram em, pelo menos, 1% a inflação. ;No que se refere a ganho real, vale lembrar que o custo de vida está menor. O trabalhador está tendo vantagem;, destacou Zylberstajn.

O INPC acumulado dos 12 meses de 2017 foi de 2,1% e o reajuste mediano de salários chegou a 3%, no período, com piso de R$ 1.153. Em janeiro, o piso baixou e deve se manter nesse patamar ao longo de 2018, segundo o coordenador do Salariômetro.

Os estados com maiores percentuais de reajuste, em janeiro, foram Rio Grande do Norte(1,74%), Piauí (1,58%), Maranhão (1,44%), Amazonas e Pará (1,27%). os menores aumentos ocorreram em: Rio Grande do Sul, Amapá e Acre (0,52%), Distrito Federal (0,59%) e Rio de Janeiro (0,65%). São Paulo tem o maior piso (R$ 1.333). E o Rio Grande do Norte (R$ 963), o menor.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação