Dicionário amoroso

Dicionário amoroso

Marina Adorno Especial para o Correio
postado em 15/07/2018 00:00
 (foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)
(foto: Breno Fortes/CB/D.A Press)


A escrita sempre foi a maneira encontrada pelo estudante João Doederlein, 21 anos, de se expressar. Em datas comemorativas, como Natal e ano-novo, ele se dedicava a fazer textos para postar em seu perfil do Facebook. Os amigos aguardavam ansiosamente pelos textos de aniversário que ele fazia. Como representante da geração de millennials, ele conquistou seu espaço no mundo por meio da internet.

A carreira do estudante de publicidade da UnB começou de maneira despretensiosa. Há sete anos, João era apenas um menino que tinha prazer em escrever e postou um dos textos na internet ;para ver no que ia dar;. Aos poucos, foi conquistando mais seguidores.

Aos 16 anos, sua página no Facebook, Contos mal contados, fechou 2016 com 600 mil. ;Eu sempre me empenhei. Buscava novos formatos e mais qualidade nos textos. Sabia que estava fazendo algo sério.;

Diante do boom, alguns amigos sugeriram que ele estendesse suas postagens poéticas ao Instagram. O perfil @akapoeta foi dominado por poesia. João postava os textos de ressignificados, nos quais ele escolhe uma palavra e atribui novos conceitos a ela, passando o sentimento dele no momento. ;Fui profissionalizando meu perfil. Pelo menos uma vez por dia, coloco um novo texto.;

O trabalho rendeu O livro dos ressignificados, lançado no ano passado, na Bienal do Rio de Janeiro. Ficou aproximadamente 26 semanas na lista de mais vendidos da Veja e até o momento vendeu por volta de 60 mil cópias.

Agora, está prestes a lançar o segundo livro, Coração granada, de poesias em versos, que fala de amor e ansiedade. ;É o resultado do que escrevi durante as crises de ansiedade que infernizam minha alma e nos momentos em que me apaixonei;, explica.

Doederlein não sabe o que esperar da reação do público. Os poemas, desta vez, não são independentes. Existe uma ligação e um personagem que não aparece, mas que está sempre presente. ;Não é um viral, é mais íntimo.;

Para João, ser brasiliense fez diferença em sua trajetória. ;As pessoas associam Brasília à arte e comentam comigo que é uma cidade cheia de artistas. Gosto de ser parte disso.;




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação