A crueldade do bullying

A crueldade do bullying

Cida Barbosa cidabarbosa.df@dabr.com.br
postado em 21/09/2019 00:00
Em meados do mês passado, fiz um texto sobre a importância de conversar com as crianças ; conforme a idade de cada uma, claro ; a respeito de violência física, psicológica e sexual. O diálogo é necessário tanto para descobrir se elas estão sendo vitimadas quanto para que saibam como agir se vierem a se tornar alvo. Também mencionei o bullying e dei um exemplo: em conversas em casa, descobri que uma das crianças estava passando pelo problema no colégio. Fomos lá, e a situação foi resolvida sem grandes dificuldades.

Dias depois da publicação, recebi e-mail de uma leitora ressaltando que bullying é infinitamente mais complexo de solucionar do que fiz crer no meu texto. Ela vive esse drama na família, com uma criança que já passou por várias escolas particulares, e todas, sem exceção, desrespeitaram os direitos dela. Este ano foi o pior de todos, segundo me relatou, porque a criança, que não mora em Brasília, sofreu episódios recorrentes de bullying. Num deles, um grupo de colegas de classe criou uma ;vacina; contra a criança e saiu ;vacinando; outros alunos. Quando a mãe chegou para buscá-la, ela perguntou: ;Mãe, eu sou uma doença? Por que estão se vacinando contra mim?;. É realmente uma situação desesperadora, de fazer chorar. Como alguém vulnerável pode sofrer algo assim e não ser protegida pelos responsáveis pelo estabelecimento de ensino? Mas foi o que aconteceu. A despeito dos esforços dos pais, a escola não tomou nenhuma medida eficaz para combater as hostilidades, e a saída foi trocar a criança de colégio, no meio do ano letivo.

A leitora falou de seu temor de que o impacto na criança seja mais profundo do que se pensa e de que episódios semelhantes aconteçam no novo colégio. Ela encerrou dizendo que os pais dos alunos que criaram a ;vacina; deveriam ficar alertas, ;pois seus filhos demonstraram já na infância um alto grau de crueldade e de falta de empatia, e a gente sabe muito bem onde isso desemboca;.

É um relato chocante, revoltante e mostra a urgência de lutarmos contra esse fenômeno social tão arraigado quanto grave, com consequências devastadoras em meninos e meninas. Leis de combate à violência existem ; federais, de n; 13.185/2015 e de n; 13.663/2018; e distrital, de n; 4.837/12 ;, mas têm de ser colocadas em prática efetivamente. É necessário o esforço conjunto do poder público, dos educadores, da sociedade. Pais e responsáveis, principalmente, têm papel imprescindível, não só para detectar se as crianças são vítimas como também para descobrir se estão sendo opressoras. Nenhum de nós pode se omitir nessa batalha.




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação