Impacto maior nas mulheres

Impacto maior nas mulheres

postado em 24/09/2019 00:00
 (foto: Samara Maciel/Divulgação)
(foto: Samara Maciel/Divulgação)

As pesquisas sobre saúde bucal também apontam as mulheres como mais vulneráveis. Um estudo realizado por cientistas finlandeses mostrou que um patógeno da doença periodontal comum pode dificultar e atrasar a gravidez em jovens. No estudo, os cientistas analisaram 256 mulheres saudáveis não grávidas, com idade entre 19 e 42 anos, que interromperam o uso de métodos contraceptivos para engravidar.

As participantes foram submetidas a exame clínicos, ginecológicos e orais, nos quais foram detectados os principais patógenos periodontais na saliva. As análises foram feitas regularmente durante 12 meses. Os pesquisadores observaram que Porphyromonas gingivalis ; uma bactéria associada a doenças periodontais ; foi detectada em grandes quantidades na saliva de mulheres que não engravidaram, o que não ocorreu no grupo das gestantes.

Voluntárias que tinham o micro-organismo na saliva apresentaram risco três vezes maior de não engravidar. ;Nosso estudo não responde à pergunta sobre possíveis razões para a infertilidade, mas mostra que a bactéria periodontal pode ter um efeito sistêmico;, frisa Susanna Paju, pesquisadora da Universidade de Helsinque e uma das autoras do estudo, publicado na revista Journal of Microbiology, em junho de 2017.

Parto prematuro
Uma pesquisa feita por cientistas espanhóis e colombianos, publicada na revista Community Dentistry And Oral Epidemiology, em fevereiro, mostrou que gestantes com periodontite correm riscos maiores de ter um parto prematuro. Os cientistas chegaram a essa conclusão ao revisar mais de 20 artigos sobre o tema, somando dados de 10.215 mulheres. ;Vimos isso em 60% dos estudos e concluímos que gestantes com periodontite dobram o risco de parto prematuro;, destacam, no artigo, os autores do trabalho, liderado por Edwar Javier Manrique Corredor, da Universidade Pedagógica e Tecnológica da Colômbia.

José Henrique de Oliveira, cirurgião-dentista e diretor do Instituto de Previdência e Assistência Odontológica (INPAO Dental), em São Paulo, destaca que a relação entre o parto precoce e a periodontite tem chamado a atenção de vários especialistas e pode ser explicada pela inflamação causada pela doença. ;Sempre reforçamos que o cuidado com a gengivite na gravidez precisa ser maior, porque a evolução da periodontite pode causar uma inflamação. Essa inflamação, por sua vez, emite sinais ao organismo que induzem o parto e até o aborto;, explica.

Suiá Maciel, 38 anos, é uma das mães que priorizam o cuidado com a saúde bucal durante a gravidez. Com cinco meses de gestação, ela já realizou alguns procedimentos preventivos. ;Recentemente, fiz uma cirurgia para a retirada da gengiva, algo que era necessário. No começo da gestação, fiz também uma limpeza. Agendei uma segunda limpeza já quando estiver com sete, oito meses, mais para o fim da gestação, para evitar o acúmulo de tártaro, algo que pode atrapalhar a lactação;, diz.

Para a policial civil, a saúde bucal é algo de extrema importância, que não pode ser deixado de lado pelas mães. ;Tem sido muito importante para mim as orientações da minha dentista, e acredito que, assim como todo o processo de obstetrícia, a saúde da boca não pode ser negligenciada, já que um malcuidado pode causar muitas outras complicações;, ressalta. (VS)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação