Encontro com o Chef

Encontro com o Chef

Dona de bufê de comida árabe se reinventa durante a quarentena e passa a vender suas delícias em pequenas porções

Renata Rusky renatarusky.df@dabr.com.br
postado em 24/05/2020 00:00
 (foto: Arquivo pessoal)
(foto: Arquivo pessoal)


Sabores da Síria em sua casa

Siham Massouh Ghaza fala sem modéstia que é uma artista. Pinta, borda, escreve, cozinha. Ao chegar à casa dela, a porta de entrada chama a atenção. Foi a síria quem fez. Além disso, ela e o marido, libanês, são empresários, fornecem produtos para hotéis, restaurantes e bares.

Quando chegaram a Brasília, nos anos 1970, a primeira coisa que fizeram foi vender quibes. Tinham apenas 15 dias na cidade e foi a primeira forma que encontraram de começar a vida. Siham já conhecia o Brasil e a capital. Veio para cá em 1963 se reunir à família, que já estava aqui.

Uma década depois, voltou à terra natal com a irmã. Lá, conheceu o marido, que estava a passeio na Síria e que, por conta da guerra no Líbano, trabalhava no Kuwait. Casaram-se e decidiram seguir o desejo dela de voltar ao Brasil. ;Foi aqui que eu aprendi a nadar, tive a primeira bicicleta, amigos de infância;, explica, sobre o carinho que tem pela cidade e pelo país.

Em Brasília, tiveram três filhos, cresceram profissionalmente e já têm até netos. Foi a prole, além dos muitos amigos, que incentivaram Siham a encarar outro trabalho, o serviço de bufê de comida árabe. ;Eu também via muita comida árabe malfeita por aí;, revolta-se. Ela cita as vezes que viu chefs renomados ensinarem a deixar o trigo hidratar de um dia para o outro, o que, na verdade, garante, estraga o ingrediente.

Passou, então, a fazer festas de aniversário, almoços beneficentes. Já chegou a preparar um jantar para 800 pessoas. E garante: ;Eu tenho quem me ajude a enrolar charutos, quibes, mas os recheios, só eu faço;. O ingrediente principal, ela simplifica, é muito amor e carinho em cada receita.

Quem experimentava a comida dela, sejam amigos, sejam convidados de festas, sempre elogiava e pedia que ela vendesse de forma fixa, em pequena quantidade, para famílias ou até que abrisse um restaurante ; hipótese que ela descarta.

Reinventando-se
Com a crise do coronavírus, o trabalho na empresa parado e o serviço de bufê também, uma das filhas, que também é empreendedora e está com a loja fechada, teve a ideia de fazer o que as pessoas sempre pediram: encomendas menores.;É uma forma de nos ocuparmos e de termos uma renda para aguentar todas as despesas sem demitir ninguém;, afirma Siham.

Além das pastas árabes típicas (só que melhores), ela incluiu no cardápio pratos menos comuns de encontrar em restaurantes árabes da cidade. É o caso do maklube, um arroz com frango e berinjela e amêndoas fritas. A coalhada seca de Siham tem um tempero especial, inventado por ela.

Muito comunicativa, ela também se satisfaz com o contato com os clientes e com os elogios que recebe. ;Eles elevam meu ego e me tiram dessa aura de mau humor deste período de quarentena;, conta. Também aprende. Uma senhora lhe disse que tinha contato com uma família síria que, na hora de servir os charutos, colocava-os sobre uma grande folha de repolho, o que Siham achou interessante.

Quando o isolamento terminar, e a vida voltar ao normal, não garante que continuará com o serviço de encomendas de pequenas quantidades. A empresa dela e do marido lhe toma bastante tempo. Portanto, é bom aproveitar o momento para experimentar os Sabores da Siham!




Babaganoush (pasta de berinjela)

* Coloque as berinjelas com casca na brasa do fogão para defumar.
* Em seguida, coloque-as em água fria, para que soltem a casca.
* Amasse a berinjela já sem casca em um processador.
* Para uma porção de berinjela, tempere com um dente de alho e duas colheres de tahine (molho de gergelim).
* Acrescente uma colher de iogurte natural.
* Temperar com sal a gosto.
* Regue com azeite na hora de servir.





A escritora
Em 2014, Siham lançou o livro Siham, memórias de uma síria brasileira. Nele, caminhamos pelas superquadras de Brasília e pelas ruas de Marmarita, na Síria. Ela conta sobre a mudança para o Brasil, o retorno à Síria e sobre a adaptação tanto aqui quanto lá.



Serviço
As encomendas podem ser feitas pelo WhatsApp (9 8441-3488) e pelo Instagram (@saboresdasiham)





Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação