Eixo capital

Eixo capital

Ana Maria Camposanacampos.df@dabr.com.br
postado em 31/05/2020 00:00 / atualizado em 29/09/2020 11:19
 (crédito: Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press)
(crédito: Paulo H. Carvalho/CB/D.A Press)


Grupo de direita no MPDFT pode assumir o comando


No Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT), o grupo mais ligado aos ideais de direita tem sido o mais atuante na rede interna de comunicação. Não há grandes embates porque os promotores que discordam preferem não partir para o confronto. Esse grupo tem tudo para emplacar um representante na Procuradoria-Geral de Justiça, quando terminar o mandato de Fabiana Costa Barreto em dezembro. Eles têm identidade com a linha bolsonarista e podem chegar ao comando. Mas, antes, precisam testar a popularidade interna e entrar na lista tríplice. Dessa seleção, sai um nome a ser escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro.



De conversível


Ibaneis saiu do hospital e foi para casa numa Mercedes-Benz conversível. Ele está testando o carro para comprá-lo. Segundo o governador, durante o momento em que esteve à beira da morte, ele lembrou do sonho que tinha de ter um conversível e decidiu realizá-lo. ;Tenho a sorte de ter condições para realizar alguns sonhos", afirmou.


Empatados


No site do Senado, a consulta pública sobre o projeto que criminaliza as fake news estava empatado ontem. Metade é favorável; e metade, contra.


Trabalho no hospital


Nem na UTI do Hospital DF Star, o governador Ibaneis Rocha deixou de trabalhar. Manteve o celular ligado até mesmo na UTI, poucas horas depois da cirurgia no intestino para a retirada de um osso e, na alta médica, anunciou a abertura de parques e templos religiosos.


A pergunta que não quer calar

Em entrevista à revista Crusoé, o ex-ministro Sergio Moro disse que, no Planalto, acreditava-se que a soltura do ex-presidente Lula era positiva para Jair Bolsonaro. Era mesmo?


Enquanto isso...
Na sala de Justiça

Karolyne Guimarães dos Santos Borges, administradora de Taguatinga nos governos Rollemberg e Ibaneis, é uma das candidatas pelo quinto constitucional à vaga de desembargadora eleitoral no TRE/DF.


Mandou bem


Justiça pede para que a Administração do DF instale um bicicletário na Rodoviária do Plano Piloto, pois o que existe está fechado. A ação civil pública foi ajuizada pela 1; Promotoria de Justiça de Defesa da Ordem Urbanística (Prourb).


Mandou mal

Em meio a uma pandemia de covid-19, com curva ascendente no número de casos e mortes, quando deveria haver uma união em torno de um objetivo comum para salvar vidas, o país vive uma crise institucional, de confronto entre o Executivo e o Judiciário.


Só papos


;Estamos trabalhando para que se faça valer o direito à livre expressão em nosso país. Nenhuma violação desse princípio deve ser aceita passivamente!”

Presidente Jair Bolsonaro



;Liberdade de imprensa não é construída por robôs;

Ministro Alexandre de Moraes, do STF, relator do inquérito sobre fake news



À QUEIMA-ROUPA

General da reserva Paulo Chagas

O senhor, que foi alvo do inquérito das fake news no ano passado, como avaliou o que ocorreu na última quarta-feira, com mandados de busca e apreensão e determinação de depoimentos de deputados atuantes nas redes sociais?
É uma situação contraditória, porque o inquérito é, e continuará sendo, irregular, ilegal e inconstitucional. A ex-procuradora-geral da República Raquel Dodge, por causa disso, pediu o seu arquivamento, o atual procurador-geral, Augusto Aras, não se manifestou contra, mas, agora, acha que estão exagerando! Por outro lado, ninguém tem dúvidas de que essa história de fake news (que é crime, mas não está definido como crime) tem que ser investigada como um todo, sem viés político, partidário ou ideológico para desmascarar quem se vale ou se valeu deste artifício para levar vantagem nas eleições e destruir reputações. É por isso que fui a favor da CPI que se propôs a investigar e separar o joio do trigo. Fui criticado por isso! As pessoas confundem o direito de opinião com fake news. A opinião de alguém pode estar errada ou equivocada, mas não é mentira, nem tampouco tem autoria desconhecida.

As fake news têm que ser investigadas, estudadas, definidas e devidamente enquadradas como crime, mas nao por intermédio de um inquérito ilegal.

O que aconteceu com a investigação envolvendo o senhor?
Não sei e acredito que ninguém saiba, porque tramita em sigilo de justiça. Até hoje não fui informado do que estou sendo acusado para figurar na relação de "suspeitos". O que eu escrevo, eu compartilho e assino e é o que penso, se, ao expressar a minha opinião, na visão da justiça, fui áspero, grosseiro, inconveniente ou agressivo estou pronto para assumir as consequências, mas, com certeza, ter opinião não é fake news.

O presidente Jair Bolsonaro disse que não é possível aceitar essas medidas ;pacificamente; e o deputado Eduardo Bolsonaro afirmou que é uma questão de tempo até haver uma ruptura institucional. O que pode acontecer?
Na minha opinião não vai acontecer nada. Acredito que vai prevalecer o bom senso, e as partes, os Três Poderes, vão cair em si e nos limites das suas responsabilidades, principalmente os ministros do STF que, há muito, têm extrapolado das suas atribuições e invadido áreas que não são suas. Os ânimos estão exaltados, vejo muito alarde com fisionomia de ameaças. O deputado Eduardo Bolsonaro disse que a ruptura é apenas uma questão de tempo e que uma medida enérgica deve ser tomada, mas não esclareceu qual seria essa medida, tampouco quem iria tomá-la. O presidente Bolsonaro também disse que o "limite" foi atingido e que tem as armas da democracia, só não revelou que limite é este e quais armas da democracia tem nas mãos e como pretende usá-las. Parece que o presidente do Congresso e o ministro Ramos já estão em campo para restabelecer o diálogo e pacificar o ambiente.

Se ficar comprovado que o presidente interferiu na Polícia Federal, como denuncia o ex-ministro Sergio Moro, Bolsonaro terá condições de continuar governando o país?
O ex-ministro Moro não disse, nem poderia dizer, que houve interferência indevida na PF. O que, na minha opinião, ficou clara foi a "intenção" do presidente de ter algum conhecimento sobre investigações em curso, o que acabou não ocorrendo por força do tumulto criado com o barulhento pedido de demissão do ministro. Não houve crime, portanto, não pode haver consequências judiciais.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação