>> Sr. Redator

>> Sr. Redator

Cartas ao Sr. Redator devem ter no máximo 10 linhas e incluir nome e endereço completo, fotocópia de identidade e telefone para contato. E-mail: sredat.df@dabr.com.br

postado em 17/12/2015 00:00
Mosquito
O governo cogita aplicar multas aos donos de propriedades que, por falta de cuidado, têm ambientes propícios à reprodução do mosquito Aedes aegypti, vetor dos vírus da dengue, da zika e da chikungunya, que têm levado à morte milhares de brasileiros. O zika é apontado como responsável por centenas de casos de microcefalia. Punir pecuniariamente o desleixo surge com antídoto eficaz para conter as epidemias. O Estado não pode ser responsabilizado pelo que ocorre nas propriedades privadas. Cabe às pessoas a responsabilidade pela higiene e pela manutenção dos locais. Na Coreia, país tropical como o Brasil, a aplicação de multas e até a prisão de proprietários foram medidas que eliminaram a boa-vida do mosquito. O governo, por sua vez, deve intensificar as campanhas de esclarecimento por todos os meios de comunicação e desmontar as alegações de que as pessoas não sabiam como combater o mosquito. Ao Estado cabe manter os logradouros públicos limpos.
; Evandro Teles da Silva,
Sobradinho

Ponte
Ao ler os esclarecimentos do diretor-geral do DER sobre a necessidade de construção de outra ponte, fiquei me perguntando: mais uma obra com custo muito alto e que vai beneficiar apenas os proprietários de veículos particulares. Por que o governo não investe o dinheiro no transporte de massa, aprimorando a malha já existente? Veja o caso do BRT, que praticamente está inoperante. Ou será que aí é o começo do atual governo, que tanto criticou gastos desnecessários, como o estádio de futebol, para fazer seu pé-de-meia? Com a palavra o governador e demais responsáveis pela administração do DF.
; Joanir Serafim Weirich,
Asa Sul

Loterias
A Caixa Econômica arrecada muito dinheiro para administrar as loterias. Tem-se que estudar e esclarecer a proporcionalidade e a distribuição com relação ao valor pago para os diferentes pontos acertados. Vejamos a Lotofácil, para fazer 11 pontos na Lotofácil, que custa R$ 2, é muito difícil, e se fizer, você recebe da Caixa Econômica R$ 2. Você aplica R$ 2 e recebe R$ 2. Esse valor recebido é muito pouco em relação ao montante de dinheiro arrecadado. O pagamento poderia ser mais bem distribuído. O apostador que faz 15 pontos recebe muito dinheiro. Será que recebe? O assunto deve ser transparente e vamos exigir estudo da proporção e, sobretudo, investigação. Temos receio que estamos sendo lesados. A loteria tem que ter o cunho social voltado também para o apostador, e, assim, várias pessoas podem ser beneficiadas e dar continuidade à alimentação da sorte.
; Antonio Xavier de Campos,
Asa Sul

; Nunca acreditei em coincidências, mas é ao menos estranho o fato de Fábio Ferreira Cleto ter sido demitido da Vice-Presidência de Fundos de Governo e Loterias da Caixa, logo após a mídia e as redes sociais terem levantado suspeita sobre a lisura dos sorteios da Mega-Sena. É só coincidência?
; José Flávio Berçott,
Lago Sul

A dor foi embora
Na Crônica da Cidade (11/12). ;A dança no hospital;, o autor exemplifica como a arte, mais especificamente a dança, pode ajudar a esquecer as dores e fazer a vida ter algum ou pleno sentido. São nesses momentos que o jornalismo, por meio da crônica, faz brilhar as páginas e as vidas dos leitores. Que essa coluna continue a receber textos iluminados, dignificando a memória do talento dos que por ela passaram, como Conceição de Freitas, e os que ali ainda labutam como, Severino Francisco.
; Marcos Linhares,
Brasília

Líder
O verdadeiro líder não é mero manipulador do poder, ansioso por cumprir objetivos pessoais. Ele sente e transforma as necessidades dos seguidores. O líder efetivo mobiliza novas e mais elevadas práticas por seus liderados. Os líderes verdadeiramente grandes fazem ainda mais, induzem novas e ativas tendências. Criam nos seus seguidores esperanças, aspirações e expectativas. Ditadores não podem ser líderes legítimos porque suprimem a resposta aos seus liderados, interrompe a dinâmica do relacionamento. A verdadeira liderança não apenas ajuda a satisfazer os anseios e propósitos positivos que se apresentam, assim como também gera insatisfações. A diferença entre um autêntico líder, que nos desperta para as necessidades e conflitos inarticulados, e um manipulador do poder é como a diferença entre um guia e um anunciante que só pensa em vender.
; Renato Mendes Prestes,
Águas Claras




Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação