Um Levir com (muita) sorte

Um Levir com (muita) sorte

No segundo jogo do novo técnico - o primeiro dele no Estadual -, Fluminense empata com o Botafogo com um gol a 20 segundos do fim. Zagueiro Gum, de cabeça, salvou o tricolor

postado em 14/03/2016 00:00
 (foto: Alexandre Cassiano/Ag. O Globo
)
(foto: Alexandre Cassiano/Ag. O Globo )

Quando acertou com o Fluminense, há 10 dias, o técnico Levir Culpi, que treinava o Atlético-MG até o fim do ano passado, mandou um recado à torcida: ;Preparem as caixinhas de remédios;. Autor do livro Um burro com sorte, sobre a própria carreira, Levir tinha razão. Se a estreia no clube, pela Primeira Liga, contra o Criciúma, não foi de muitas emoções, o de ontem, pelo Campeonato Carioca, teve de sobra. O Fluminense perdia o clássico carioca contra o Botafogo por 1 x 0 até 20 segundos para o fim, quando teve um escanteio a favor. Na cobrança rápida, Gum, de cabeça, empatou e livrou o tricolor de perder o segundo jogo seguido para o Botafogo e terceiro clássico na sequência.

Na entrevista depois da partida, Levir confirmou: ;Pode preparar, vai ter emoção. Vai ter muita emoção mesmo;.

Diante de um público muito pequeno, com menos de 5 mil pessoas, o jogo começou com atraso em função dos uniformes. O goleiro Jefferson usava uma camisa cinza que causava confusão com a dos jogadores de linha. Dado o pontapé inicial, o Fluminense começou com postura mais ofensiva. Aos poucos, porém, o Botafogo equilibrou o jogo e passou a ter as principais chances. Ribamar foi o primeiro a arriscar, em chute cruzado. Em seguida, Airton quase marcou em finalização que saiu por cima do gol.

Longe de ter um time como pretende, o técnico Levir Culpi tentava organizar a equipe, mas sem sucesso. A única vez em que o Fluminense assustou na etapa inicial foi em uma cobrança de escanteio.

No segundo tempo, o Botafogo trocou o uniforme e contou com a sorte. Aos 2 minutos, em contra-ataque rápido, Gegê chutou forte, a bola desviou no peito de Ribamar e enganou Diego Cavalieri: 1 x 0.

A entrada de Gerson no lugar de Diego Souza funcionou por alguns minutos. O Fluminense ganhou criatividade, mas ainda dava espaços na defesa. Em um desses vacilos, viu Emerson Santos cobrar falta com violência e acertar a trave. O zagueiro quase marcou outro golaço, em tentativa do meio de campo.

Quando a partida se aproximava do fim, o Fluminense teve a última tentativa, na única maneira que poderia empatar. Aos 47 minutos, Gustavo Scarpa cobrou escanteio na área e Gum marcou de cabeça. ;Queria muito ajudar a equipe. Estava ajudando do lado de fora e, quando entrei, fiz o que tinha de fazer. No último lance, trombei com os caras e consegui o gol;, celebrou o zagueiro Gum. ;Pude entrar e ajudar o time. O gol foi no sufoco, é sempre assim.;

FICHA

Fluminense 1

Diego Cavalieri, Wellington Silva, Renato Chaves (Gum), Marlon e Giovanni; Edson (Felipe Amorim), Cícero e Gustavo Scarpa; Osvaldo, Marcos Júnior e Diego Souza (Gerson)
Técnico: Levir Culpi

Botafogo 1
Jefferson, Luis Ricardo, Joel Carli, Emerson e Diogo Barbosa; Airton, Bruno Silva (Fernandes), Rodrigo Lindoso e Gegê; Salgueiro (Neilton) e Ribamar
Técnico: Ricardo Gomes

Cartões amarelos: Renato Chaves, Giovanni e Marlon (Fluminense); Joel Carli, Bruno Silva e Airton (Botafogo)
Gols: Gum, aos 47 minutos do segundo tempo, e Ribamar, aos 3 minutos do segundo tempo.
Renda: R$ 106.560,00
Público: 4.378 pagantes

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação