Na batida do tambor

Na batida do tambor

Modelo compacto da marca japonesa impressiona pelo amplo espaço interno, porta-malas enorme e excelente conjunto mecânico, além do motor 1.5 de 92 cavalos, quando abastecido a gasolina. No entanto, o acabamento interno e o visual não agradam

» Paulo Eduardo
postado em 04/12/2014 00:00
 (foto: Fotos: Euler Junior/EM/D.A Press)
(foto: Fotos: Euler Junior/EM/D.A Press)

O Etios foi concebido à moda Logan de primeira geração, carro compacto com espaço de médio e acabamento sem capricho. A Renault mudou a filosofia, e o Logan de segunda geração é outro carro em todos os sentidos. O Etios está na primeira geração, e as linhas da carroceria estão longe de agradar aos olhos. Até o farol lembra o primeiro Logan. A Toyota não se preocupou com o visual, achando que bastava colocar um conjunto mecânico eficiente e o logotipo dela para fazer sucesso.

A versão Platinum é a topo de linha e o preço ultrapassa a barreira dos R$ 50 mil. Os cromados estão em evidência na grade dianteira, faróis auxiliares e tampa do porta-malas. Ao entrar no habitáculo duas constatações imediatas: espaço interno avantajado e falta de esmero no acabamento. Há rebarbas nos puxadores de porta, e o quadro de instrumentos na parte central do painel foge ao convencional e é preciso desviar o olhar da pista para fazer a leitura do velocímetro e conta-giros. Isso compromete a segurança.

Contraste

A enorme tela frontal com ótima definição da câmera de marcha à ré contrasta com a falta de regulagem de distância do volante, plástico duro no painel central cuja aparência não convence e há iluminação somente no interruptor da porta do motorista. No banco traseiro, estão ausentes apoio de cabeça e cinto de três pontos para o assento central. Itens básicos de segurança. O travamento das portas não é automático, como ocorre com outros modelos na mesma faixa de preço. Se o motorista esquecer... Cintos dianteiros têm pré-tensionador, que seguram o ocupante ainda mais em freada brusca ou batida, mas falta regulagem de altura.


Bagagem
A enorme abertura do porta-malas facilita a entrada de objetos maiores ; a maioria dos sedãs tem boca pequena, limitando a colocação de bagagens grandes. O encosto do banco traseiro não é fracionado. Quando rebatido, ocupa todo o assento. Se fosse fracionado, um ou dois passageiros poderiam dividir espaço com bagagem. Seria mais prático.

Dirigindo
Se as linhas não convencem, dirigir o Etios é muito agradável. A posição de dirigir é boa e logo encontrada. O banco do motorista tem regulagem de altura, o que facilita o posicionamento adequado conforme a estatura. Os engates do câmbio são leves, curtos e precisos. O motor 1.5 com cabeçote multiválvulas e abertura variável de válvulas responde rápido aos comandos do acelerador e é elástico. Usa corrente em vez da correia dentada, o que dispensa manutenção. O Etios pesa menos de uma tonelada, contribuindo para melhor desempenho e menor consumo.


A direção com assistência elétrica mantém a tradição japonesa de leveza nas manobras e firmeza em velocidades mais elevadas. O senão é que o volante não retorna totalmente ao centro, precisando de ajuda para tal. Quando virado totalmente, e solto imediatamente, o fenômeno não acontece. O diâmetro de giro pequeno facilita manobras em espaços apertados.

A suspensão bem calibrada segura o carro nas curvas de baixa e alta, mantendo o conforto. Os retrovisores bem dimensionados ajudam na visibilidade. A conectividade está presente, com Bluetooth, navegador, entrada USB e demais espécies do gênero.

O Etios tem um conjunto mecânico muito bem acertado, ótimo espaço interno, mas peca no acabamento simples demais para um carro que custa mais de R$ 51 mil.


R$ 51.780
Preço sugerido do Toyota Etios Sedan Platinum 1.5



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação