Cinco décadas de requinte

Cinco décadas de requinte

Compositor lança CD para celebrar 50 anos de carreira. Um dos destaques é uma parceria com letra inédita de Vinicius de Moraes

» Irlam Rocha Lima
postado em 01/01/2015 00:00
 (foto: Fotos: Leo Aversa/Divulgação)
(foto: Fotos: Leo Aversa/Divulgação)



A música popular brasileira por pouco perderia para a engenharia mecânica um dos seus mais requintados melodistas. Francis Hime já havia se tornado parceiro de Vinicius de Moraes, tinha canções gravadas por Tony Bennett e Elis Regina, havia participado de uma das edições do Festival da Record e feito alguns shows, quando recebeu o diploma que o habilitava a exercer outro ofício na indústria automobilística.

Para o bem da MBP, porém, prevaleceu o gosto desse carioca de 75 anos pelo piano, pela composição, pelos arranjos e por trabalhar com letristas. Com eles, criou clássicos da importância de Atrás da porta, Meu caro amigo, Sem mais adeus, trocando em miúdos e Vai passar. Francis, também, se tornaria cantor e lançou 25 discos. O mais recente é Navega ilumina, comemorativo dos 50 anos de carreira.

Cinco canções são de autoria de Hime: Ilusão, Mistério, Beatriz, Cecília e Isabel. ;Três, Amorosa, Canção noturna e Canção apaixonada fiz com Olívia (Hime), enquanto Sessão da tarde tive minha filha Joana como parceira;, acrescenta Hime.

Outros parceiros no CD são Geraldo Carneiro ; o mais frequente deles ; com quem dividiu a faixa título; e o jovem Thiago Amud, que escreveu a letra de Breu e Graal.

No repertório, em que há predominância das canções, foram inseridas duas peças sinfônicas. Uma delas, Cecília ; Fantasia para harpa e orquestra, inspirada na neta mais nova. ;A fantasia é derivada de um concerto e harpa e orquestra sinfônica, ainda inédito, que escrevi para a harpista Cristina Braga;, revela. Para Isabel, outra neta, o compositor fez a Fantasia para violino e orquestra.

Chama a atenção no Navega ilumina a faixa Maria da Luz. Trata-se de poema inédito de Vinicius de Moraes, musicado por Francis. ;Na fase de produção do álbum, remexendo o baú de partituras no meu estúdio, emocionado encontrei um manuscrito do Vinicius, da década de 1990, escrito para um balé chamado Polichinelo, do cineasta francês Jean Gabriel Albicocco. Havia anotada a indicação do Poetinha para que eu o musicasse. Como o balé não foi montado, esqueci completamente do poema. Ao reencontrar essa preciosidade, fui para o piano e a melodia e a harmonia me vieram à mente na mesma hora;, complementa.

Francis Hime lançou o CD com show na Sala Paulo Autran, do Sesc Pinheiros, em São Paulo; e no Espaço Tom Jobim, no Rio de Janeiro, onde ganhou registro para o DVD que vai sair em julho pela Biscoito Fino. Antes o pianista sai pelo país com a turnê do Navega ilumina. O início, porém, ainda não foi definido. ;O público de Brasília sempre me deu ótima acolhida. Com a turnê dos 50 anos, vou ter o máximo prazer de voltar à capital;, adianta.



Década de 1960


;Em 1964, iniciei a parceria com Vinicius de Moraes na canção Sem mais adeus, gravada originariamente pela cantora Wanda Sá. No ano seguinte, compus Minha, com Ruy Guerra, que Elis Regina e Tony Bennett gravaram. Roberto Carlos defendeu Anoiteceu, outra canção que fiz com Vinicius, no Festival da Record de 1966. Naquela década, participei, ainda, de um espetáculo intitulado Pois é, com Vinicius, Gilberto Gil e Maria Bethânia e dividi o palco, também, com Dori Caymmi. Em 1969, com 30 anos, me formei em engenharia e fui para Los Angeles, onde fiquei por quatro anos. Lá, tendo grandes mestres como professores, estudei composição, orquestração e regência;.


Década de 1970

;A partir de Los Angeles, na década de 1970, comecei a manter contatos no Brasil para mostrar meu trabalho de composição e iniciei a parceria com Chico Buarque ao compor Atrás da porta. De Los Angeles, mandei uma fita para o Chico. Numa das vindas ao Rio estive em uma festa na casa dos meus sogros em Petrópolis. Aí, fui ao piano e comecei a mostrar a melodia. O Chico, que também estava presente, pegou papel e lápis e passou a esboçar a primeira parte de uma letra. A Elis ia gravar disco e me pediu uma música. Falei que estava fazendo uma com o Chico e ela o procurou e pediu para ele terminar, e deu uma interpretação emocionante. Em 1973 gravei meu primeiro LP, com produção ambiciosa, acompanhado por orquestra de 40 músicos de cordas e sopros, e arranjos quase sinfônicos. A partir de Atrás da porta, a parceria com o Chico deslanchou, fiz a direção musical do álbum dele Meus caros amigos e compomos para a trilha sonora do musical Rei de Ramos, de Dias Gomes. Em 1977, lancei o LP Passaredo.Em1979, assinei a direção do álbum com a trilha sonora do Ópera do malandro, espetáculo de muito sucesso criado e dirigido por Chico;.


Década de 1980

;Lancei quatro discos na década de 1980, e um deles é o Francis, que tem a canção ;E Se;, com letra que fala do meu time, E se o Botafogo for campeão. Um outro é o Esses parceiros, que tem músicas minhas com Milton Nascimento, Chico Buarque, Ivan Lins, Abel Silva. Ainda naquela década, passei a me dedicar à música de concerto; e fiz uma turnê com Toquinho e Maria Creusa, que passou por Brasília. A estreia foi no Teatro Galeria, no Rio. O Vinicius já estava doente, mas mesmo assim foi nos ver. Uma semana depois, morreu. Ainda naquela década, passei a me dedicar à música de concerto;.


Década de 1990


;Me dediquei bastante à música de concerto na década de 1990, atuando como pianista e regente, inclusive em Brasília, na Sala Villa-Lobos. Lancei o CD e o DVD com a Sinfonia do Rio de Janeiro de São Sebastião. Em 1994, na comemoração dos 30 anos de carreira, gravei o Álbum musical, com a regravação de canções consagradas, lançado no ano seguinte e com várias participações ilustres, entre elas as de Caetano Veloso (Pivete), Chico Buarque (Sem mais adeus), Maria Bethânia (Pássara) e Zélia Duncan (Atrás da porta) e João Bosco (Vai passar).


Década de 2000


;Em 2001, criei 30 peças para piano solo, gravadas no Meus caros pianistas por Wagner Tiso, Leandro Braga, Gilson Peranzzetta, Miguel Proença, Clara Sverner e Maria Teresa Madeira, entre outros. Em seguida, me voltei para a MPB e lancei vários CDs pela gravadora Biscoito Fino, como Almamúsica, com Olívia (Hime), o que gravei com o grande Guinga. Ele interpretando minhas músicas e eu as dele. Lancei, também, o DVD Francis Ao Vivo, gravado no Sesc Pompéia, em São Paulo.



Navega ilumina
CD de Francis Hime comemorativo dos 50 anos do compositor, pianista e cantor carioca, com 12 faixas. Lançamento do selo Sesc. Preço médio: R$ 29,90.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação