Apreensão de fuzis entra na mira do MP

Apreensão de fuzis entra na mira do MP

Ministério Público pede explicações à Polícia Civil do Rio e à PF sobre a operação que tirou de circulação 60 armas de grosso calibre. Como a ação ocorreu em um aeroporto, a competência é federal. Especialistas alertam para o risco de toda a investigação ser anulada

» HAMILTON FERRARI*
postado em 08/06/2017 00:00
 (foto: Carlos Magno)
(foto: Carlos Magno)


Uma operação realizada na semana passada no Aeroporto do Galeão criou um clima de animosidade entre as polícias Federal e Civil no Rio de Janeiro. Há uma semana, foram apreendidos 60 fuzis pela corporação estadual, mas o Ministério Público Federal (MPF) iniciou uma investigação que questiona a ação, que é de competência da Polícia Federal. Especialistas afirmaram que há o risco de toda a operação ser anulada.

A apreensão dos fuzis ocorreu depois de um ano de interceptações telefônicas feitas pela Polícia Civil. A Polícia Federal é a única corporação que tem competência para fazer tal operação, porque ocorreu no aeroporto e representa um crime de repercussão internacional. Apesar disso, a investigação foi realizada pela Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) e pela Delegacia de Roubos e Furtos de Cargos (DRFC). Tanto a PF quanto a Polícia Civil precisam prestar esclarecimentos ao MPF sobre o caso em até cinco dias.

As armas vieram de Miami, nos Estados Unidos, escondidas em contêineres de uma carga de aquecedores para piscinas. Para Max Kolbe, advogado e professor de direito constitucional, a Polícia Civil só poderia deflagrar a operação em atuação conjunta com a PF, o que não foi feito. Segundo ele, a Constituição determina que os agentes federais são os únicos que exercem as funções de polícia marítima, aeroportuária e de fronteiras.

Kolbe também explica que a investigação realizada apenas pela Polícia Civil pode se tornar inválida. ;Os advogados das partes que estão sendo investigadas podem requerer a nulidade das provas, uma vez que a operação foi feita por uma autoridade que não tem atribuições para tal ato;, disse.

Já Antônio Testa, especialista em segurança pública e professor da Universidade de Brasília (UnB), afirma que a Polícia Civil tem o mérito da descoberta, mas deveria repassar as informações à PF. ;As corporações têm suas atribuições formais, mas cada caso é diferente. Nem sempre há compartilhamento de informações, depende de como a investigação será feita. Agora, a Polícia Federal deve reivindicar as apurações para seguir daqui para a frente;, declarou.

Conflito

A situação, porém, criou um desentendimento entre as polícias. O setor aeroportuário brasileiro é uma das principais áreas de atuação da PF. A Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro comunicou que prestará esclarecimentos sobre o tema em questão caso instada, mas que agiu por ;absoluta; preservação do interesse público e ratificou que o teor das ações se materializa no procedimento submetido ao Judiciário.

O Ministério Público Federal vai investigar agora a ação dos agentes. ;Na minha visão, a apuração é vazia, porque vai envolver pessoas, burocracia jurídica e administrativa. Deveriam, na verdade, agradecer e não ficar penalizando ou coibir a operação que só trouxe ganhos;, avalia Antônio Testa.

Marcelle Figueira, pesquisadora em segurança pública da Faculdade Católica, acredita que seria de, no mínimo, ;bom tom; que a Polícia Civil compartilhasse as informações com a PF e que deve ocorrer uma disputa por protagonismo. ;É inerente da atividade humana essa busca pela descoberta, mas há um caso de estranheza e um questionamento de por que os agentes federais não participaram;, alegou

Kolbe destaca que é dever do Ministério Público exercer o controle externo da atividade policial. O órgão precisa investigar possíveis abusos de poderes e operações que não são de competência das corporações. ;Se ficar demonstrado que houve uma ilegalidade, o responsável pela apuração do caso vai responder administrativamente ou judicialmente;, afirmou o advogado. Procurada, a Polícia Federal não respondeu.

* Estagiário sob a supervisão de Roberto Fonseca


Memória

A maior em 10 anos
Em 1; de junho, a Polícia Civil do Rio de Janeiro prendeu quatro pessoas envolvidas na importação de 60 fuzis. A ação foi realizada no Terminal de Cargas do Aeroporto Internacional do Rio de Janeiro. O valor estimado das mercadorias é de R$ 4 milhões. A investigação começou após a morte de um policial militar em São Gonçalo, na região metropolitana do Rio. A Polícia descobriu que a arma usada no assassinato havia sido usada em um roubo de cargas.

No dia, o secretário de Segurança do Rio, Roberto Sá, disse que a apreensão foi a maior em 10 anos, segundo o Instituto de Segurança Pública (ISO). A Delegacia Especializada em Armas, Munições e Explosivos (Desarme) destacou que a operação deve ter desdobramentos. A Polícia Civil não informou, porém, se vai atuar de forma conjunta com os agentes federais.

A apreensão representa 43% de todos os fuzis recolhidos entre janeiro e abril deste ano no Rio de Janeiro. Entre as armas, foram 45 AK47, 14 AR10 e um fuzil G3. O estado tira das ruas uma desse tipo por dia, desde o início do ano.


Sequestro de avião no Pantanal
Bandidos sequestraram ontem o avião particular PR-ESC dentro do Sesc Pantanal, a 45km de Poconé (MT). O piloto foi abordado pelos criminosos minutos depois da aterrissagem e acabou obrigado a decolar novamente. O nome da vítima não pode ser divulgado ; ele tem 60 anos e trabalha na empresa há 18. A suspeita é o narcotráfico boliviano esteja por trás do sequestro. O Sesc afirma que as polícias Civil e Federal estão cuidando do caso, além da Secretaria de Segurança Pública do Estado de Mato Grosso e o Centro Integrado de Operações Aérea (Ciopaer). A desconfiança é de que os criminosos já faziam tocaia no local há alguns dias e estavam só esperando o avião chegar ao hangar para atacar. (Lucianna Rodrigues)



Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação