Os escorpiões da QNF 20

Os escorpiões da QNF 20

Moradores da QNF 20 de Taguatinga, onde o garoto de 4 anos vivia e foi atacado por escoprião enquanto dormia, reclamam da presença constante de espécimes em casa e áreas públicas. Agentes da Vigilância Ambiental fizeram vistoria na quadra ontem

Juliana Andrade
postado em 02/07/2019 00:00
 (foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)
(foto: Ana Rayssa/CB/D.A Press)

Com um carrinho de brinquedo na mão, a autônoma Lorraine de Jesus, 27 anos, relata as últimas horas de vida do filho Christian Silva de Jesus, que morreu aos 4 anos após ser picado por um escorpião, na sexta-feira. O acidente ocorreu enquanto o menino dormia em casa, na QNF 20 de Taguatinga.

Moradores da quadra dizem ser comum encontrar o bicho peçonhento na região. Até março, foram registrados 344 acidentes envolvendo escorpiões no Distrito Federal este ano. Em 2018, houve 1.286, sendo 261 nos três primeiros meses.

Os pais de Christian contam que o menino acordou, na madrugada de quinta para sexta-feira, com fortes dores na perna. ;Quando levantei, ele estava gritando e balançando a perninha. Logo imaginei que poderia ter sido uma picada de escorpião, porque fui picado uma vez. Quando o tirei da cama, o bicho saiu correndo;, lembra o pai, o serralheiro Juliano de Jesus, 33.

O garoto foi levado ao Hospital Regional de Taguatinga, onde deu entrada por volta de 1h. Lorraine afirma que, durante o atendimento, ela foi informada que havia apenas duas doses do soro contra picadas de escorpião e que Christian precisava de ao menos três. ;O médico teve que ir atrás do resto e conseguiu no Hmib (Hospital Materno Infantil de Brasília). Eram quase 4h quando eles foram aplicar. Ele tinha delirado e vomitado várias vezes;, relata. O garoto tomou cinco doses do soro, mas morreu por volta das 16h50 e foi enterrado no domingo.

Por meio de nota oficial, a Secretaria de Saúde informou que ;o paciente recebeu todo o atendimento necessário; e que não estava autorizada a passar detalhes do prontuário. De acordo com a mãe, Christian teve 15 paradas cardíacas no hospital. ;A minha gratidão é saber que o médico foi muito mais eficiente que o governo. O médico tentou reanimá-lo em todas as paradas que ele deu, mas não adiantou;, comenta.

Rotina
A presença de escorpiões na QNF 20 tem incomodado os moradores. Juliano mostrou um pote com vários deles. Todos encontrados em casa e na vizinhança. Agora, o serralheiro se preocupa com os irmãos de Christian ; eles têm 10 meses, 3, 7 e 11 anos. ;A gente dorme preocupado. O que eu podia fazer eu fiz, que foi colocar veneno e limpar. Sempre olho a cama deles;, ressalta o pai.
Outros moradores da quadra, como a técnica de enfermagem Meire Neves Pereira, 46, reclamam da quantidade de escorpiões. ;Tenho um pote com três que encontrei em casa;, diz. O pastor Rodeval Correia, 44, acredita que os bichos venham de um matagal em frente à quadra. ;Direto aparece relato de gente que foi picada. Além do matagal, muitos vêm pelos esgotos atrás das baratas;, alega.

A Diretoria de Vigilância Ambiental informou que uma equipe fez uma vistoria na QNF 20 na manhã de ontem. A Secretaria de Saúde destacou que a Vigilância monitora a distribuição temporal e espacial da população de escorpiões e de acidentes, além de promover em todo o Distrito Federal ações de prevenção e controle.

Socorro

As vítimas de escorpião devem procurar a emergência dos hospitais ou das Unidades de Pronto-Atendimento (UPA). O Centro de Informações Toxicológicas podem dar a primeiras orientações por meio do telefone 0800 64406774.

A população pode pedir uma ajuda no combate a uma infestação de escorpiões, por meio de uma demanda da comunidade, pelo Serviço de Saúde, no telefone 2017-1343 ou 160.

Como prevenir

Em área externa:

; Manter limpos quintais e jardins, não acumular folhas secas e lixo domiciliar;

; Colocar o lixo em sacos plásticos ou outros recipientes apropriados e fechados e entregá-los ao SLU;

; Eliminar baratas, aranhas, grilos e outros pequenos animais invertebrados, fonte de alimento;

; Evitar entulhos, superfícies sem revestimento e umidade;

; Preservar os inimigos naturais, aves, pequenos macacos, quatis, lagartos, sapos e gansos;

; Evitar queimadas em terrenos baldios;

; Remover folhagens, arbustos e trepadeiras nas paredes e nos muros;

; Manter fossas sépticas vedadas, para evitar passagem de barata e escorpião;

; Rebocar todas as paredes e muros, eliminando vãos ou frestas.

Em área interna:

; Vedar soleiras de portas com rolos de areia ou rodos de borracha;

; Reparar rodapés soltos e colocar telas nas janelas;

; Colocar telas nas aberturas dos ralos, pias, tanques;

; Colocar telas nas aberturas de ventilação de porões e manter assoalhos sem buracos;

; ;Manter berços e camas afastados, no mínimo, 10cm, das paredes e evitar que mosquiteiros e roupa de cama permaneçam em contato com o chão;

; Manter todos os pontos de energia e telefone devidamente vedados;

; Em local arborizado, fechar portas e janelas da residência ao entardecer;

; Manter fechado armários e gavetas;

; Examinar roupas e calçados antes de usá-los.

Fonte: Secretaria de Saúde do DF

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação