ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 Visto, lido e ouvido aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br

postado em 28/11/2015 00:00


Longe dos interesses da população

Desde 2000, tem sido essa a estratégia do GDF, em conjunto com a Câmara Legislativa, para proteger e blindar os donos de postos de combustíveis da livre concorrência do mercado. A razão é simples: muito dinheiro. Com a prisão dos membros desse cartel mafioso que, há pelo menos 20 anos, atua na capital, fica claro agora para todo mundo que os tentáculos do grupo só agiam com desenvoltura e por tanto tempo graças à retaguarda oferecida pelo Legislativo e pelo Executivo locais. Em 2000, o delegado da Polícia Federal João Thiago de Oliveira e o superintendente-geral do Cade, Eduardo Frade, pela idade que aparentam, deviam ser adolescentes. Pois bem, graças ao trabalho competente dos dois, a população pôde ver, ler e ouvir o que sempre soube.

Naquele mesmo ano, por meio da Lei Complementar n; 294/2000, de autoria do Executivo ; projeto assinado pelo então governador, Joaquim Roriz ;, que tratava de outorga onerosa, foi introduzido um jabuti ou penduricalho estranho ao documento, redigido pelos próprios donos de postos de combustíveis, que, no parágrafo 3; determinava: ;Fica expressamente vedada a edificação de postos de abastecimento, lavagem e lubrificação nos estacionamentos de supermercados, hipermercados e similares, bem como de teatros, cinemas, shopping centers, escolas e hospitais públicos;.

A partir desse instrumento, abriu-se a porteira para a prática da concorrência desleal na venda de combustível no DF. Curiosamente, tem-se aqui a introdução, sui generis, da prática de cartel na capital, por meio de documento legal, datado e devidamente assinado. Ocorre que para manter esse status de aparente legalidade, foi preciso ainda contar com a pronta e ;desinteressada; colaboração da Câmara Legislativa. Aliás, faz-se aqui parêntese para registrar a falta de serventia dos distritais para a população e o volume constante de escândalos que vem ofertando ao noticiário local, ao longo de todos esses anos, sem o qual a mídia se tornaria excessivamente monótona.

Ligações telefônicas reveladas pela Operação Dubai mostram a estreita relação entre os parlamentares do DF e a ação criminosa investigada. São contatos políticos, os quais são prontamente usados em ;caso de necessidade;. Pedidos de dinheiro e de combustíveis formavam a maioria dessas conversas pouco republicanas.

Os investigadores afirmam, inclusive, que ;a influência no meio político seria uma das formas principais encontradas pelo cartel para barrar o avanço de investigações.; Os enormes lucros dessa bem estruturada organização, com seus braços em todos os poderes local, eram diretamente proporcionais ao prejuízo dos milhões de consumidores, ao longo de quase duas décadas. As perdas para a economia da cidade são incalculáveis e, lógico, dificilmente serão ressarcidas.

O que fazer agora? Sabe-se que ao longo desse tempo, a cada 50 litros abastecidos, os consumidores perdiam efetivamente R$ 35. Nessa era de megaescândalos, não é de se estranhar que a sede do próprio Sindicato do Comércio Varejista de Combustíveis e Lubrificantes era utilizada como quartel-general da quadrilha, que comandava dali o assalto à população. Segundo a Polícia Federal, ;o sindicato exercia importante papel na manutenção do cartel, ao servir como porta-voz dele, ao mesmo tempo em que perseguia os proprietários de postos dissidentes.;


A frase que não foi pronunciada

;A esperança é tanta que
Papai Noel está se vestindo
de verde e amarelo.;


Ex-militante petista

Brasil


Simone Castelo Branco pergunta a razão de o The Voice Brasil só ter interpretações em inglês. Se regionalizou, por que não mostrou o que o país tem de melhor? Ninguém soube responder.

Honra ao mérito

Coisa boa é ter o reconhecimento da dedicação de décadas em um trabalho que visa o bem comum. Quem compartilha essa alegria conosco é a professora Moema Craveiro Campos. Hoje ela vai ser surpreendida em Santos. Em festa na Pinacoteca, alunos de piano vão interpretar as composições da mestra de Brasília.

Bate-papo

Esta alguém comentou no cafezinho da Câmara: ;Tem senador mais assustado que freira com atraso menstrual;.

Campanha

Por iniciativa da diretora-geral, Ilana Trombka, o Senado participou ativamente da campanha Papai Noel dos Correios. Foram centenas de cartinhas entregues à instituição. Um mês antes do Natal, todas as missivas foram adotadas e faltam poucos funcionários para entregar os presentes

Lançamento

Hoje Juvenil Tomás autografa no Carpe Diem Os diamantes azuis ; luzes e bolhas. Sem possibilidades de classificação de gênero, a obra traz ficção, fantasia, história, ciência, espiritualidade, política, psicologia e aventura. Aí está um bom presente de Natal. O Carpe Diem fica na 104 Sul e a festa começa às 19h.

História de Brasília

Outra sobre o Cota Mil é que de Cota Três passou
a Cota 12, e a minha vizinha aí de baixo, pelo visto, não
tem gostado da coisa. (Publicado em 27/8/1961)

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação