EI reivindica ataque com faca em shopping

EI reivindica ataque com faca em shopping

postado em 19/09/2016 00:00
 (foto: AFP)
(foto: AFP)


O grupo terrorista Estado Islâmico (EI) reivindicou a autoria de um ataque com faca perpetrado na noite de sábado, em um centro comercial da cidade de St. Cloud, Minnesota. Ainda com as investigações em curso, autoridades americanas afirmaram ontem que o caso não parece ter ligação com a explosão de uma bomba na cidade de Nova York, no mesmo dia. Nove pessoas ficaram feridas, sem gravidade, e o autor, identificado pela imprensa como um americano de origem somali, foi morto por um policial que estava fora de serviço.

Blair Anderson, chefe da polícia local, relatou à imprensa que o agressor fez ;várias referências a Alá; durante a ação e questionou ao menos uma pessoa se ela professava o islã antes de esfaqueá-la. A agência de notícias Amaq, que faz propaganda do EI, afirmou que o atentado em Minnesota havia sido perpetrado por um ;soldado; do grupo jihadista. ;Ele era um soldado do Estado Islâmico que respondeu aos chamados para tomar como alvos os cidadãos dos países-membros da coalizão dos cruzados;, informou.

A Polícia Federal dos EUA (FBI), porém, trata o crime com um ;potencial ato de terrorismo;. ;Não prejudicarei a investigação antes de termos esclarecido os fatos. Teremos as respostas do que aconteceu e precisamos de uma investigação completa;, observou o prefeito Dave Kleis. O agente federal Rick Thornton, encarregado da investigação em St. Cloud, afirmou que as autoridades não conheciam ;muito; sobre o possível vínculo internacional do agressor.

A imprensa local identificou o autor das facadas como Dahir Adan, um universitário de 22 anos. Segundo a polícia, ele usou um uniforme de segurança privado durante o ataque às vítimas e tinha registros de infrações de trânsito. De acordo com o jornal Star Tribune, Adan nasceu na Somália e vivia nos EUA havia 15 anos. Autoridades descartaram a participação de outras pessoas no crime.

Reação somali
Líderes da comunidade somali na região se reuniram ontem com a família do agressor e emitiram um comunicado condenando a ação e expressando solidariedade aos feridos. Abdul Kulane, um dos líderes, relatou ao jornal St. Cloud Times que Adan não tinha histórico de violência e era conhecido como um estudante esperto.

Em Minneapolis, principal cidade de Minnesota e a 100km de St. Cloud, está a maior comunidade de origem somali dos EUA. Em abril do ano passado, o FBI prendeu, na região, seis jovens americanos de origem somali que tentavam se unir ao EI na Síria. Com o ataque em St. Cloud, autoridades e líderes locais temem o aumento das tensões raciais. ;Nos preocupamos com a repercussão que isso pode ter. Nos preocupamos com o que acontecerá depois;, disse Kulane. O prefeito fez um pedido para que a cidade se mantenha unida e que os valores sobre os quais ;a comunidade e nação foram fundados; não sejam alterados.


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação