ARI CUNHA

ARI CUNHA

Desde 1960 Visto, lido e ouvido aricunha@dabr.com.br com Circe Cunha / circecunha.df@dabr.com.br

postado em 20/03/2014 00:00



Uma Copa
inesquecível


Uma coisa é certa: esta será uma Copa do Mundo de Futebol inesquecível, principalmente com relação ao jogo jogado fora dos estádios por todo o país. Originalmente, os custos ficariam a cargo da iniciativa privada, mas, hoje se sabe, estão sendo bancados na quase totalidade pelos contribuintes. Não bastasse a inversão dos custos para a realização do campeonato, a contabilidade e tudo mais é feito às pressas. Nada que estruturas de lona, à moda dos circos, não possam resolver. Apanhados pelas exigêcias pantagruélicas da Fifa, nossos ;cartolas; do Executivo correm contra o tempo e em direção ao bolso do cidadão para satisfazer aos caprichos da prima donna suíça. Faltando poucas semanas para o evento, e diante das nuvens pesadas que parecem se avizinhar, os organizadores dão os últimos retoques para que o espetáculo da bola possa ocorrer com todo brilho e pompa. Armadas da cabeça aos pés, grande contingente de forças de segurança (Polícia Militar, grupos de operações especiais, Exército e agentes de segurança) deram início, em todo o país, a uma série de treinamentos e simulações para deter possíveis ataques terroristas durante o evento. Equipamentos e armas de última geração foram adquiridos. Em Brasília, o governo acaba de adquirir um modernoso carro antimotim, cujo preço ainda não teve a coragem de divulgar. Zonas de exclusão e de segurança máxima estão previstas para todo o entorno dos estádios. Todas as forças armadas ficarão de prontidão, deixando o país numa espécie de estado de sítio em que o grito de guerra será o gol.



A frase que foi pronunciada

;A pior ditadura não é a que aprisiona o homem pela força, mas sim pela fraqueza, fazendo-o refém das próprias necessidades.;

Júlia Lícia, na internet.



Frutífero

; Mário Hermes Viggiano, arquiteto do Senado, reuniu espécimes nativas do cerrado em um viveiro. O sucesso da experiência foi estendido ao Jardim Botânico de Brasília, que ontem recebeu mais de 800 mudas para plantio. O projeto Senado Verde é uma iniciativa cidadã dentro da Casa. Antônio Hélder Rebolças, diretor-geral do Senado, justificou a iniciativa pela consonância de valores entre as duas instituições que têm o objetivo de promover a gestão ambiental por meio da educação e de projetos voltados para a sustentabilidade.


Benefício

; Vale acompanhar de perto a promessa da Secretaria de Agricultura e Desenvolvimento Rural do Distrito Federal (Seagri). O pessoal do Núcleo Rural Jardim II recebeu a promessa de recuperação do sistema de irrigação em uma ária que passa dos 90 hectares. São 30 propriedades rurais, com 50 famílias beneficiadas pelo projeto.


Produção

; É bom reforçar que essas propriedades produzem mais de 500 caixas de frutas e hortaliças por semana. Parte é comercializada na Ceasa e no programa PAA-DF.


Novos tempos

; Funcionários do Senado foram informados pela Secretaria de Recursos Humanos que, por ordem judicial, terão desconto único em folha equivalente a 20% de 1/30 da remuneração bruta a título de contribuição sindical. Os revoltados comentam que a Constituição Federal estabelece que ;ninguém será obrigado a filiar-se ou a manter-se filiado a sindicato;.


Ouro negro

; Cyro Miranda, Cristovam Buarque e Ricardo Ferraço tomam a frente da batalha pela obediência da lei. É que os recursos recebidos pelo consórcio que vai explorar o Campo de Libra devem ser considerados royalties destinados
à educação.


Silêncio

; Isabela Gomes, da Telex Soluções Auditivas, comemorou a regra do Inmetro que obriga os fabricantes de eletrodomésticos a informarem o nível de ruído do produto. O Selo Ruído, para liquidificadores, secadores de cabelo e aspiradores de pó, vai ajudar o consumo consciente. A fonoaudióloga reforça que o excesso de barulho faz muito mal à saude. Geralmente, sem que as pessoas percebam.


Total

; Por falar nisso, quem chega a sala de consultório com a tevê ligada faz de tudo para desligar. É que os celulares são muito mais interessantes que
notícias sobre violência
o tempo todo.



História de Brasília

Eu estava pretendendo ir a Goiânia, hoje, de automóvel, mas não posso, não vou, porque a estrada será toda do senador Juscelino Kubitschek. (Publicado em 12/7/1961)


Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação