Orquídeas do cerrado

Orquídeas do cerrado

Na paradisíaca paisagem de Alto Paraíso, um lugar chama a atenção dos turistas. Em duas estufas, quase 8 mil mudas da delicada flor embelezam o lugar

» PALOMA SUERTEGARAY
postado em 17/03/2015 00:00
 (foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)
(foto: Antonio Cunha/CB/D.A Press)






Poucas flores remetem tanto ao luxo e à elegância como as orquídeas. De pétalas coloridas e vistosas, há cerca de 50 mil espécies da flor ; 20 mil encontradas na natureza e outras 30 mil criadas em laboratório. A diversidade e a beleza da planta conquistaram Gilmar Pedro Nagel, 51 anos, que hoje dedica a vida ao cultivo. Ele é dono do único orquidário de Alto Paraíso e um dos poucos da região. O município figura entre os destinos turísticos favoritos dos brasilienses e não é raro o florista receber visitantes da capital, alguns interessados em fazer compras e outros apenas em admirar. Nas duas estufas do Jardim das Belas Flores, ele planta mais de 100 variedades de orquídea.

A paixão de Gilmar pela charmosa flor começou na década 1980. Na época, ele morava no interior do Rio de Janeiro, região onde proliferam orquídeas e bromélias. ;Comecei, primeiro, colecionando algumas variedades das duas espécies. Acabei gostando tanto que decidi começar a plantar e a viver disso. Como a orquídea é mais rentável, optei por ela;, conta. Em 1995, mudou-se para a cidade de Bom Despacho(MG). Lá, teve o primeiro orquidário, no qual começou a pôr em prática os primeiros aprendizados sobre o cultivo da flor. À procura de um lugar mais tranquilo e de natureza intocada para viver, decidiu, finalmente, se mudar para Alto Paraíso, em 2010.

A rotina de Gilmar começa bem cedo. A mulher e os dois filhos o ajudam no negócio ; a filha, inclusive, estuda biologia em Brasília. ;Moro do lado das estufas, então, geralmente, venho, pela manhã e no fim da tarde, dar às flores os cuidados necessários. Às vezes, no entanto, quando recebo caixas com mudas novas, fico dia todo trabalhando;, descreve. Ele se refere à mudas porque não trabalha com as sementes no orquidário. ;Eu apenas retiro os políneos das orquídeas, que, combinados, podem formar novas plantas, e os envio para um laboratório em São Paulo. Ele se encarrega de produzir a semente e me enviar a muda;, explica.

Gilmar emprega diversos métodos de plantio, dependendo da espécie. Algumas crescem em vasos de terra; outras, em um pedaço de casca de árvore, abrigadas em caixas suspensas. O tamanho do recipiente também varia. Algumas orquídeas precisam de mais espaço, além de ser necessário colocar as mudas em vasos maiores à medida que vão crescendo. Regá-las de forma adequada também é muito importante. ;Cada tipo de orquídea precisa de uma quantidade de água específica. Se o clima estiver mais úmido ou seco, é necessário ajustar a frequência com que a flor é regada;, esclarece o criador. Iluminação filtrada e adubação controlada são outros dos cuidados essenciais.

O esforço é grande, mas, para o florista, os resultados compensam. ;O que eu mais gosto nas orquídeas é a tranquilidade e a harmonia interior que me despertam quando trabalho com elas. Traz grande bem-estar;, resume. Gilmar garante, ainda, que o cultivo pode ter um efeito terapêutico. ;É uma atividade muito prazerosa, que serve como remédio para a mente. Conversando com outras pessoas do ramo, vi que não sou o único a se sentir assim.; Quando perguntado a respeito de quais orquídeas mais admira, ele cita nomes e espécies sem dificuldade. ;A cattleya walkeriana é, sem dúvida, uma das minhas favoritas. Ela é nativa de Minas Gerais e me lembra o tempo que morei lá;, relata.

Negócio em crescimento

Para que uma orquídea floresça, demora de cinco a seis anos. Uma qualidade indispensável para quem quer investir no ramo é, então, ter muita paciência. Cuidado primoroso também é essencial, já que, se não tomar conta direito da flor ao longo do tempo necessário, é dinheiro perdido. No total, as duas estufas de Gilmar abrigam entre 6 mil e 8 mil mudas ; em um metro quadrado das bancadas dentro das estufas, cabe uma média de 20 vasos. Por mês, ele consegue vender oito caixas, com seis flores cada. ;Geralmente, trabalho nas feiras locais. Consigo tirar, em média, dois salários mínimos. As orquídeas mais baratas custam em torno de R$ 40. Tenho algumas que chegam a custar R$ 800, mas são mais difíceis de vender na região.; completa.

O plano, para os próximos anos, é dobrar a produção do orquidário, construindo mais duas estufas. Gilmar conta, ainda, que a atividade turística em Alto Paraíso é muito positiva para os negócios. ;Muita gente vem para cá com o propósito em conhecer as cachoeiras e belezas naturais. A alta temporada é quando as vendas aumentam mais, já que os turistas têm mais alto poder aquisitivo e se interessam pelas orquídeas;, afirma.


50 mil

É o número de espécies de orquídeas no mundo

Serviço

Orquidário Jardim de Belas Flores

Rua 10, Quadra 9, Lote 12, Setor Planalto, Alto Paraíso de Goiás (GO)
Telefones: (62) 3446-1543 e (62) 9601-1227 (Gilmar Pedro Nagel)


Para saber mais


O preço que algumas orquídeas podem chegar a custar é de arregalar os olhos. Para muitos, no entanto, a beleza da flor compensa. Confira a seguir algumas das mais raras ; e caras ; espécies do mundo.

Orquídea dourada de Kinabalu
A variedade está em extinção e pode demorar até 15 anos para florescer. Típica da Ilha de Bornéu, na Malásia, a planta é extremamente rara e pode chegar a mais de R$ 8 mil.

Orquídea Shenzhen Nognke
Produzida pelo grupo chinês que dá nome à planta, foram necessários oito anos de pesquisa para criá-la.
Ela é a flor mais cara cultivada pelo homem: em 2005, foi vendida em um leilão por R$ 436 mil.

Orquídea Sapatinhos de Senhora
É uma espécie europeia, difícil de ser encontrada. Como suas sementes não fornecem nutrientes para crescer, ela tem uma relação simbiótica com um fungo, que a ajuda a se desenvolver. Custa em torno de R$ 15 mil.

Cattleya walkeriana ;feiticeira;
Tem forma de gota e belíssima cor magenta. Como ainda não foi encontrada uma forma de produzi-la em série, o preço de uma flor
é altíssimo: R$ 1,5 mil.

Orquídea negra
É uma das mais raras do mundo. Apesar do nome, a flor é vermelha-púrpura. Ela floreia uma vez por ano e tem 1cm de diâmetro. Pode ser encontrada nas florestas do Espírito Santo e custa R$ 150.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação