Quero ser Schweinsteiger

Quero ser Schweinsteiger

Para salvar investimento no meia argentino Lucas Mugni, Vanderlei Luxemburgo começa a treiná-lo como volante. Estreia na posição deve vir no Fla-Flu de domingo. Esse tipo de mudança impulsionou a carreira de astros internacionais

Braitner Moreira
postado em 03/04/2015 00:00
 (foto: Gilvan de Souza/Flamengo - 12/2/14)
(foto: Gilvan de Souza/Flamengo - 12/2/14)



Lucas Mugni
23 anos

Pelo Flamengo

42 partidas
22 jogos como titular
5 gols
3 assistências



Quatro treinos bem-sucedidos, o último deles na tarde de ontem, parecem ter sido suficientes para convencer o técnico Vanderlei Luxemburgo a apostar em uma ;cara nova; no Flamengo: Lucas Mugni. O argentino, contestado pela torcida na função de meia-atacante, foi testado como volante nas últimas atividades com bola no CT Ninho do Urubu e parece ter agradado ao comandante. A presença dele na função é praticamente quase certa para o jogo de domingo, contra o Fluminense.

A experiência como volante, quem sabe, pode mudar o rumo da carreira de Mugni no Flamengo ; neste Campeonato Carioca, foram apenas duas chances como titular, diante de Friburguense e Volta Redonda, e ambas terminaram com vaias das arquibancadas.

Tal troca de função em definitivo, de meia a volante, é rara no futebol atual. Ainda assim, Luxemburgo tem ao menos cinco bons exemplos para se apegar. Entre os atletas que revolucionaram a carreira quando passaram a jogar mais recuados estão Hernanes, o alemão Schweinsteiger, o inglês Lampard, o marfinense Touré e o precursor da atual geração, o italiano Pirlo. Todos alcançaram um nível inédito com a mudança.

No Flamengo, por sinal, já houve experiência do tipo: Júnior, revelado lateral-esquerdo pelo rubro-negro, ganhou o Campeonato Brasileiro de 1992 praticamente como um segundo volante, ao lado de Charles Guerreiro. Ele estreara na função na década anterior, quando defendeu os italianos Torino e Pescara.

Sem surpresa

O rendimento ruim de Mugni não chega a ser surpreendente. Quando o argentino foi contratado por
R$ 3 milhões, em janeiro do ano passado, a fase já não era das melhores: o meia havia acabado de ser rebaixado à segunda divisão pelo Colón de Santa Fe, amargava uma seca de 424 dias sem marcar gol e começava a frequentar o banco de reservas.

Provavelmente com o argentino titular, o Flamengo encara o Fluminense no domingo, às 18h30, no Maracanã. Cerca de 12 mil ingressos haviam sido vendidos até o início da tarde de ontem, último balanço divulgado pelo rubro-negro. O jogo é válido pela penúltima rodada da fase de classificação do Campeonato Carioca e o rubro-negro, líder, precisa apenas de um empate para garantir a classificação às semifinais. O tricolor, quinto colocado, tem de vencer para continuar na briga.





Três baixas
O recuo de Mugni é reflexo de três ausências no setor. O argentino Canteros sofreu uma entorse no joelho direito, Jonas passa por recondicionamento físico após se recuperar de uma contusão e o paraguaio Cáceres, que estava na seleção, só se reapresentou na tarde de ontem. O único titular disponível é Márcio Araújo.



"Quem vem aqui todo dia percebeu que coloquei o Lucas Mugni como volante em três treinos (quatro, com o de ontem). E ele foi muito bem. De repente, dois passos para trás vão fazer muito bem para ele;

Vanderlei Luxemburgo,
treinador do Flamengo






De mão cheia

Cinco carreiras que viraram do avesso com a mudança de posicionamento




Andrea Pirlo
35 anos
Virou volante em 2001
Pirlo passou pelo Brescia, pela Inter de Milão e pelo Reggina sem empolgar. Foi quando voltou ao Brescia que o técnico Carlo Mazzone decidiu testá-lo como ;regista;, o volante italiano que se posiciona em frente aos zagueiros para distribuir a bola. Deu tão certo que Pirlo foi parar no Milan seis meses depois e agora está na Juventus. Desde então, venceu 15 títulos ; entre eles, uma Copa.




Yaya Touré
31 anos
Virou volante em 2008
Foi Pep Guardiola, no Barcelona, quem enxergou a oportunidade de recuar Touré para melhorar seu rendimento. Até então, o marfinense parecia uma contratação equivocada e ouvia as primeiras vaias da torcida. Jogando como volante e até como zagueiro, ele disputou a posição com Busquets até ser vendido ao Manchester City. Foi eleito o atleta africano do ano de 2011 a 2014.





Bastian Schweinsteiger
30 anos
Virou volante em 2008
Como técnico, Jürgen Klismann não deixou saudade no Bayern de Munique. Mas ele deixou um legado: a utilização de Schweinsteiger como volante. O alemão atuava como meia-direita e, no ano anterior, havia perdido espaço na seleção por causa do rendimento ruim. Depois da mudança, faturou 13 títulos e guiou a Alemanha na vitória na última Copa do Mundo.





Hernanes
29 anos
Virou volante em 2008
Hernanes saiu das categorias de base como volante, mas Muricy Ramalho insistia em utilizá-lo como meia e deu a ele a camisa 10 do São Paulo. Quando voltou a jogar mais recuado, como nos tempos de Santo André, tornou-se o melhor jogador do Campeonato Brasileiro e não demorou a ser vendido para a Lazio, da Itália, e chegar à Seleção. Hoje, está na Inter de Milão.





Frank Lampard
36 anos
Virou volante em 2010
Já capitão do Chelsea quando passou a atuar mais recuado, Lampard seguiu os conselhos do treinador Carlo Ancelotti, que o via com características parecidas às de Andrea Pirlo. Na primeira temporada após a mudança, o meia/volante inglês foi campeão do Campeonato Inglês, além de eleito o melhor jogador da competição. Está no Manchester City.







Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação