Maioria quer mudança

Maioria quer mudança

» FERNANDO JORDÃO Especial para o CORREIO
postado em 31/10/2016 00:00
Criticado por especialistas, o foro privilegiado também não agrada a sociedade. Em enquete promovida pelo Correio, 78% dos internautas disseram ser favoráveis ao fim do benefício concedido a políticos e autoridades. Até as 17h de ontem, o levantamento havia sido respondido por 3.947 pessoas. A votação está disponível em www.correiobraziliense.com.br. Se você é a favor do fim do foro, também pode compartilhar sua opinião nas redes sociais, usando a hashtag #XôPrivilégio.

Especialistas ouvidos pelo Correio desde a última sexta-feira têm justificado a necessidade de se extinguir o foro de prerrogativa. O ministro aposentado do Supremo Tribunal Federal (STF) Carlos Velloso acredita que o benefício protege os maus políticos ;Começa por se tratar de um privilégio. O homem comum tem como foro o juiz de primeiro grau, com os recursos processuais cabíveis, que é o juiz natural de todos os cidadãos, sem exceção. A proteção começa, então, com o privilégio do foro;, avaliou.

O ex-presidente do STF Ayres Britto e o advogado Marlon Reis ; um dos responsáveis pela criação da Lei da Ficha Limpa ; defendem reformulação no benefício. ;Necessita-se de um debate para redução;, afirmou Britto. Já o deputado Efraim Filho (DEM-PB), relator da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que pede o fim do foro privilegiado para parlamentares, opina que o julgamento diferenciado é um ;resquício aristocrático;. ;Como o grande desafio da sociedade agora é combater a corrupção, é necessário combater também a impunidade, porque elas são irmãs gêmeas;, disse.

Atualmente, cerca de 22 mil pessoas são beneficiadas pelo foro no Brasil. Com essa quantia, o país é considerado o que mais tem autoridades resguardadas no mundo. Hoje, magistrados, parlamentares, prefeitos, ministros, presidente da República e, às vezes, até vereadores e delegados desfrutam da prerrogativa.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação