Márcio Cotrim

Márcio Cotrim

marciocotrim@facbrasil.org.br www.marciocotrim.com.br
postado em 01/04/2017 00:00




Ler para crer

Creia, embora seja difícil acreditar nestas ideias pacóvias e demagógicas. Quem se deu ao trabalho de reunir o repertório foi o diligente Eduardo Bassit. Prepare os músculos faciais para arregalar os olhos a arreganhar a boca.

No início de 1999, a Câmera Municipal de Juiz de Fora apreciou em plenário três singulares projetos. O primeiro obrigava o uso de fraldões por todos os equinos da cidade. Uma emenda ao projeto previa que os fraldões tivessem cores diferentes, conforme a cor da tez (da tez) do animal, para não agredir a estética.

A segunda peça desse enxoval legislativo criava sentido de mão e contramão em ruas para pedestres. A terceira pérola determinava o preenchimento de fichas com nome e endereço dos hóspedes de motéis da cidade! Assim informou Ricardo Boechat em sua coluna.

No Jornal do Brasil, o artigo 2 da Resolução 81/98 do Conselho Nacional de Trânsito. O dispositivo obrigava os mortos em acidentes a serem submetidos a exame de teor alcoólico para apurar a culpa do falecido no desastre. Já o artigo 3 da mesma Resolução punia os motoristas mortos que se recusassem a realizar o exame com penas de multa e suspensão da carteira de habilitação!

A parte boa da notícia: o de cujus poderia voltar a dirigir ao término da suspensão. A parte ruim: caso o falecido tivesse que se submeter ao bafômetro seria preciso adaptar o aparelho para o bafo da múmia...

A vez da Folha de S. Paulo. Segundo ela, o Diário Oficial de Mato Grosso do Sul publicou, em 16 de novembro de 1996, edital de concorrência para a compra de 150 pênis de borracha pela Secretaria Estadual de Saúde, destinados a campanhas educativas sobre o uso da camisinha. O assunto passou despercebido. Só foi notado com a seguinte retificação, que saiu no dia 20 do mesmo mês: ;Onde se lê pênis oco de borracha com 16 centímetros de diâmetro, leia-se pênis oco de borracha com 16 centímetros de comprimento por 3 de diâmetro;. Ainda bem...

Agora, a gracinha colhida pelo jornal O Dia, de Teresina: vereadores da capital piauiense, nos anos 90, submeteram a seus pares projeto de lei que tornava obrigatória a instalação de telefones públicos nos cemitérios municipais!

Em Quixeramobim, no Ceará, em 1991, o vereador José Filho encaminhou projeto no sentido de que fossem pintados de amarelo fosforescente, com tinta idêntica à utilizada na sinalização rodoviária, ;todos os rabos de equinos e muares da cidade; para evitar que os animais sofressem atropelamentos. O vereador Rocélio Fernandes enriqueceu a proposta com uma emenda que previa a pintura de todos os cascos dos animais locais e dos chifres dos bovinos. Como a piedosa sugestão vazou antes da discussão em plenário, nem chegou a ser votada. Pano rápido.

Mas a insânia não é privilégio nosso. Vamos aos EUA. Em Saint Louis, é proibido sentar no meio-fio para beber cerveja num balde. Em Michigan, os crocodilos não podem ser amarrados a hidrantes. Em Atlanta é ilegal amarrar girafas em telefones públicos.

Já em Hartford, Connecticut, ninguém pode atravessar a rua plantando bananeira. Em Winnetka, Illinois, é proibido descalçar sapatos dentro de teatros se o sujeito tiver chulé. Na civilizadíssima Nova York, a lei veda a exposição de manequins nus nas vitrines. Em Illinois, outra joia: uma lei estadual exige que as mulheres devam endereçar suas cartas a homens solteiros referindo-se a eles como máster (mestre) em vez de mister (senhor). Xô, machismo besta!

Numa cidade da Pensilvânia, é proibido fazer sexo oral usando batom de baixa qualidade. Em Alexandria, Minnesotta, o marido não pode fazer amor com a esposa se seu hálito cheirar a alho, cebola ou sardinha. E em Tremonton, no puritano Estado de Utah, a lei proíbe que uma mulher faça sexo com homem enquanto dirige uma ambulância (ela dirigindo, aliás, deve merecer um quadro especial de contorcionismo no Cirque du Soleil...).

Em matéria de leis, melhor beber na fonte, o Direito Romano. Eis o que prescrevia um edito do Imperador Valério, segundo a Revista Literária de Direito: ; No caso de dois acusados e havendo dúvida sobre a autoria do delito, deve o Juiz condenar o mais feio;. Já sabiam, naquele tempo, que beleza é fundamental...



;Humor não é um estado de espírito, mas uma visão do mundo;
Wittgenstein

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação