"O meu negócio é emocionar"

"O meu negócio é emocionar"

A gestora e sócia de doceria no Sudoeste é conhecida por fazer amizade com a clientela, ser dedicada e exigir alto padrão de qualidade

Ana Paula Lisboa
postado em 26/05/2019 00:00
 (foto: Clara Lobo/Esp. CB/D.A Press)
(foto: Clara Lobo/Esp. CB/D.A Press)

A economista Patrícia Olivera, 39 anos, tem experiência em organismos internacionais e trabalhava numa organização social do Ministério da Ciência e Tecnologia quando resolveu largar tudo para empreender de um jeito diferente. ;;Eu sempre fui muito feliz em todas as minhas experiências profissionais, mas sentia uma lacuna;, conta. Por isso, quando Maria Amélia, dona da famosa rede de doces que leva o nome dela, a convidou para gerenciar e ser sócia de uma unidade da doceria no Sudoeste, Patrícia aceitou o desafio na hora. A parceria completou um ano em abril. ;Eu era cliente da Maria Amélia na loja da 308 Sul. A Rafaela, filha dela, ficava muito lá. Eu chegava, conversava, dava sugestões, mostrava o que não estava muito legal. A gente começou a ter uma afinidade muito grande;, conta. Tanto que a proprietária e a filha passaram a procurar Patrícia para pedir ideias.

Ao longo de 10 anos, desenvolveu-se uma relação de confiança. ;Um dia elas disseram que um ponto muito bom tinha ficado vago no Sudoeste. E me perguntaram: Patrícia, você quer ser sócia? Eu levei um susto. Eu tinha acabado de voltar de licença-maternidade;, lembra ela, que é mãe de dois meninos, de 1 ano e de 6 anos. ;Eu cheguei ao meu trabalho e disse: estou saindo, vou ali ser feliz e não volto;, brinca. Apesar da surpresa inicial, um mês depois do convite, a sociedade se concretizava com a abertura da unidade. ;Todos os investimentos e todos os ganhos são meio a meio;, esclarece. E os resultados são motivo para comemorar: a loja recebe 170 clientes pagantes por dia, o que dá um total de cerca de 300 pessoas diariamente. Todos os produtos são fornecidos pela fábrica da Maria Amélia, que faz entregas ali duas vezes por dia. Os únicos preparos feitos na hora são os da parte de café. Os carros-chefes são tortinha de red velvet, bem-casado, café expresso e coado.

Patrícia fica ali 12 horas por dia, de domingo a domingo, para garantir que tudo dê certo. ;Eu converso com todo mundo. Todo mundo me conhece e vem tomar café comigo. A presença constante do dono faz diferença tanto para as funcionárias (porque eu sou o exemplo delas) quanto para os clientes, que sabem com quem falar em caso de qualquer reclamação;, afirma. Clientes como Mariana Sobral, 37 anos, percebem a diferença. ;Gosto muito dos produtos, do ambiente e do atendimento;, elogia.

Equipe treinada
O faturamento bruto varia entre R$ 55 mil e R$ 60 mil mensalmente. ;Chegamos à maturidade financeira com oito meses;, diz. Os ganhos são tão positivos que o negócio cresceu fisicamente: começou numa loja de 30 m; e, desde 24 de abril, ocupa também o espaço ao lado, passando a contar com o dobro do tamanho. Para conseguir um bom desempenho em pouco tempo, o peso da marca Maria Amélia foi importante. Por trás desses números também está uma equipe bem qualificada. O time de cinco funcionárias escolhido por Patrícia há cerca de um ano nunca faltou a um dia de trabalho. ;Quando eu fui fazer a seleção, as amei de cara. Até brinco que elas que me escolheram.; A gestora foi treinada pela própria Maria Amélia e fez um curso de barista; repassando todos os conhecimentos adquiridos às subordinadas. ;Como posso querer que elas vendam uma torta de pistache, se nunca comeram pistache?;, exemplifica.

É por isso que Patrícia fez questão de organizar degustações em reuniões internas para que todas conheçam os produtos e saibam diferenciar e explicá-los aos clientes.;Não digo que elas são minhas colaboradoras ou funcionárias, digo que são minhas emocionadas porque a gente trabalha com emoção;, afirma. ;As pessoas vêm comer um bolo ou um brigadeiro porque estão chateadas, ou estão na TPM. Se estão felizes e querem comemorar, vêm aqui também. Então, trabalhamos o tempo inteiro com emoções;, explica. ;E um serviço ou produto ruim acaba com a emoção, mata tudo;, completa.
A dedicação é um traço da gestão e da personalidade de Patrícia. Filha de uma dona de casa e artista plástica brasileira e de um uruguaio naturalizado brasileiro, ela conta que o pai sempre a ensinou a se esforçar. ;Ele falava: se você vai fazer uma coisa, faça bem-feito, não importa o quê;, recorda.

Saiba mais

Maria Amélia do Sudoeste
Quadra 303 do Sudoeste, Bloco C, Loja 40. Telefone: 3026-0083. Funcionamento: de segunda a sábado, das 9h30 às 20h; domingo, das 9h às 19h30

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação