Sem aval, mas no calendário

Sem aval, mas no calendário

Brasília entra na lista de provas da Stock Car, apesar de o GDF não se posicionar sobre a entrega do autódromo

Maíra Nunes
postado em 02/12/2015 00:00
 (foto: Dênio Simões/Agência Brasília - 12/2/14)
(foto: Dênio Simões/Agência Brasília - 12/2/14)


Embora permaneçam as incertezas sobre o fim da reforma no Autódromo Internacional Nelson Piquet, a Stock Car fechou o calendário da temporada 2016 com uma prova confirmada para Brasília, em 30 de outubro. ;Ainda aguardamos a conclusão das obras, mas contamos que isso deve ser finalizado em tempo de receber a competição, apesar de não termos uma posição oficial do Governo do Distrito Federal;, alfinetou Maurício Slaviero, diretor-geral da Vicar, organizadora do evento. O empresário tinha firmado 6 de novembro como prazo para que o GDF emitisse um parecer, caso não quisesse ;perder; duas corridas da modalidade no próximo ano.

Mesmo sem o posicionamento do governo em relação à entrega do autódromo, contudo, as empresas parecem não querer abrir mão de correr na capital, como foram obrigadas a fazer neste ano. A Stock Car divulgou a tabela oficial, ontem, com Brasília como sede da 10; etapa, mas certa desconfiança fica evidente: a palavra ;alternativo; ao lado da etapa brasiliense é a única com tal ressalva entre as 12 do campeonato nacional.

A cidade também está nos planos da Fórmula Truck para 2016, segundo adiantou a assessoria do torneio. Com previsão de anunciar nesta semana o calendário oficial da próxima temporada, a empresa responsável pela corrida de caminhões planeja uma prova no autódromo para o segundo semestre.

Por conta das obras, o circuito foi interditado em dezembro de 2014, mas em janeiro elas foram paralisadas. A suspensão atendeu a determinação do Tribunal de Contas do Distrito Federal (TCDF) porque o órgão considerou que houve sobrepreço no edital.

Com o autódromo fechado, a capital perdeu duas etapas da Stock e uma da F-Truck. Os dois campeonatos costumavam levar mais de 30 mil pessoas ao autódromo. O local ficou sem outras oito corridas do automobilismo nacional.

Prazo curto

O governador Rodrigo Rollemberg disse ao Correio, em outubro, não se tratar de uma obra demorada: ;Creio que em 60 dias ela fica pronta. O prazo é curto, mas creio que dá tempo para entregar à cidade o autódromo em 21 de abril;.

São necessários reparos na pista, nas arquibancadas, nos banheiros, nos boxes e nos restaurantes, além de reformas de acessibilidade e na sede administrativa, conforme informou a assessoria da Novacap, por e-mail. Para tentar concluir os trabalhos, Terracap e Novacap assinaram um convênio de R$ 40 milhões. As empresas públicas alegam ter encaminhado a documentação ao TCDF e aguardam posicionamento para lançar a licitação com o objetivo de contratar a empresa que terminará as obras.

Alheio a isso, o GDF aguarda interesse de investidores para que a administração do complexo esportivo ; autódromo, Mané Garrincha, Nilson Nelson e Complexo Aquático ; fique a cargo de uma parceria público-privada. A Novacap quer lançar um edital para isso este ano, segundo a assessoria do órgão.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação