Curtas

Curtas

postado em 17/12/2015 00:00
 (foto: Ed Alves/CB/D.A Press)
(foto: Ed Alves/CB/D.A Press)

; PIRENÓPOLIS
prédios EM DEBATE

A construção de dois prédios no centro histórico de Pirenópolis (GO), considerados pela população uma ameaça ao centro histórico local da cidade, é tema de audiência pública no Senado Federal, na manhã de hoje. A iniciativa é do senador goiano Ronaldo Caiado (DEM). O encontro será na Comissão de Desenvolvimento Regional, às 10h. Entre os convidados, está o prefeito Nivaldo Antônio de Melo (PP), que, apesar de toda a repercussão e da resistência de grande parte da população local, ainda não se manifestou publicamente sobre as construções, autorizadas por sua administração. Líderes do movimento Piri Sem Time Share também estão na lista de convocados. Contudo, ninguém confirmou presença. Os planos de expansão da hotelaria em Pirenópolis foram revelados pelo Correio, no mês passado. Desde então, mais de 3 mil pessoas assinaram petição contrária aos empreendimentos destinados à moradia e ao turismo. Eles terão 262 apartamentos.


; ATO PRÓ-DILMA
POUCOS PROFESSORES

Apesar da convocação do Sindicado dos Professores (Sinpro-DF), que pediu para a categoria reduzir as horas de aula para participar do ato contra o impeachment da presidente Dilma Rousseff, ontem à tarde, os alunos da rede pública de ensino não foram prejudicados. O Correio visitou sete escolas públicas do Distrito Federal e em nenhuma delas houve mudanças na grade horária por causa da manifestação. ;Os professores que estiveram lá usaram abonos ou mesmo folgas a que já tinham direito. Tivemos aula normalmente;, disse Joselma Ramos, diretora do Elefante Branco. Uma das razões para a manutenção das aulas foi a greve terminada em novembro, que durou 29 dias. Mesmo assim, o Sinpro garante que a participação dos profissionais da educação no ato foi satisfatória. ;Estamos com professores participando. O ato tem várias categorias. Foi uma ação conjunta;, explicou Cláudio Antunes, integrante do sindicato.



; RODOVIÁRIOS
PARALISAÇÃO ATRAPALHA

A paralisação temporária dos rodoviários causou transtorno aos passageiros do Distrito Federal na manhã de ontem. Desde as primeiras horas da manhã, nenhum coletivo saiu das garagens. Muitas pessoas se aglomeraram nas paradas e, por falta de opção, recorreram ao transporte pirata (foto), que cobrou valores bem superiores aos praticados nos ônibus convencionais. A categoria cruzou os braços em adesão a uma ação nacional por mais segurança no trabalho. O ato teve início por volta das 4h e tinha previsão inicial de se estender até as 8h, o que não ocorreu. Por volta das 9h, os ônibus voltaram a circular normalmente. A categoria reivindica, ainda, que o segundo posto de trabalho dentro dos ônibus, o do cobrador, seja obrigatório em todo o Brasil. A outra maneira de chegar ao destino foi pegar o Metrô, que funcionou com 24 trens durante toda a paralisação. Segundo informações do Sindicato dos Rodoviários do DF, cerca de 10 mil trabalhadores aderiram ao movimento.


; EXPLOSÃO DE CAIXA ELETRÔNICO
ATAQUE NA BR-020

Criminosos explodiram um caixa eletrônico localizado dentro de um supermercado, na BR-020, na altura do Grande Colorado. A ação aconteceu por volta das 4h de ontem, quando o local estava vazio. Segundo informações da Polícia Militar, a porta do mercado foi arrombada. Havia restos de explosivos no local. O Batalhão de Operações Especiais (Bope) e o Esquadrão Antibombas da corporação foram acionados e isolaram a área. Cerca de 30 homens atuaram na ocorrência. Os bandidos não conseguiram levar dinheiro do terminal bancário, pois o artefato usado na ação falhou. De acordo com levantamento da Secretaria da Segurança Pública e da Paz Social, de janeiro a 22 de outubro, foram registradas 43 ocorrências de ataques a caixas eletrônicos no Distrito Federal. O caso mais recente, contudo, não está contabilizado na estatística.


; ASSASSINO EM SÉRIE
no JÚRI POR 16 MORTES
O juiz Jesseir Coelho de Alcântara, titular da 1; Vara Criminal de Goiânia, marcou para 16 de fevereiro de 2016 o julgamento do vigilante Thiago Henrique Gomes da Rocha, 27 anos, acusado de matar 30 mulheres na capital goiana e no interior do estado. Ele vai a júri popular para responder por 16 assassinatos. Thiago foi preso em outubro de 2014 e tornou-se o recordista de cartas amorosas no complexo penitenciário de Aparecida de Goiânia, onde recebe, por semana, mais de 15 correspondências de admiradoras. Quando foi preso, o número era quatro vezes maior.

Tags

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação